Michel Macedo representa o Brasil no esqui alpino após ‘escapar’ da covid

De IstoÉ

Michel Macedo representa Brasil no esqui alpino após 'escapar' da covid | Go Outside
O atleta Michel Macedo durante ajustes de seu esqui antes de sua competição. Foto: Divulgação/COB

Após ser surpreendido por um teste positivo para a covid-19 na chegada à Pequim, Michel Macedo ficou isolado por uma semana, até que conseguiu um teste negativo na véspera da competição de slalom do esqui alpino nos Jogos de Inverno.

+ Eliminadas no sprint por equipes, brasileiras se despedem das Olimpíadas
+ Olimpíadas: Brasil está fora do bobsled 2-men após repetir penúltimo lugar

Nesta quarta-feira (16), o cearense de 23 anos marcou 59,88, ficando na 37ª colocação entre 88 competidores na primeira descida. Na segunda, cometeu um erro e não conseguiu terminar. Mas a presença dele entre os 88 atletas da disputa já é motivo de comemoração. As informações são da IstoÉ.

“Obviamente, fiquei desapontado com o resultado da segunda corrida, errei e não consegui terminar, mas no geral estou feliz de ter conseguido a oportunidade de competir depois dessa confusão toda por conta da covid. É tirar o que eu posso dessa prova, pensar positivo, sabendo que posso esquiar bem e olhar pra frente”, disse Michel.

“Na segunda descida, eu larguei e não consegui entrar no meu ritmo. Na terceira porta meu esqui derrapou no gelo e não consegui fazer a quarta porta. Tive que sair da pista e foi bem desapontador. Estava mais confiante do que na primeira, em que fui mais conservador para poder garantir a segunda descida, ia me soltar um pouco mais, mas é assim que acontece nesse esporte”, comentou.

A competição que Michel Macedo participou foi realizada no Centro Nacional de Esqui Alpino, situado na área montanhosa de Xiaohaituo, no noroeste de Yanqing. Quase 50% dos atletas (43 de 88) não concluíram as duas descidas. Essa não foi a primeira vez que Michel sofreu um revés em Jogos Olímpicos e conseguiu se recuperar a tempo de carimbar sua participação. Em Pyeongchang-2018, ele sofreu uma lesão em um treinamento na véspera da competição, já na Coreia do Sul, perdeu a prova do slalom super gigante, mas largou em a de slalom e slalom gigante, se tornando oficialmente atleta olímpico.

“Eu acho que as minhas duas últimas participações foram difíceis, com lesão em Pyeongchang e com covid aqui. Vou continuar ralando por pelo menos mais uma temporada, tentando evoluir meu nível de esqui e analisar de um ano para o outro. Se eu estiver vendo uma progressão boa, vou tentar ir pra Milão também. Tenho bastante trabalho para fazer, vou me dedicar muito e, se conseguir me classificar, quero ir pra brigar por uma boa classificação”, contou.

-Publicidade-