Mais de 90% dos países terão um ano muito quente a cada dois, indica estudo

Mais de 90% dos países terão um ano muito quente a cada dois, indica estudo
(2013) Árvores derrubadas pela elevação do nível do mar devido ao aquecimento global, na costa senegalesa - AFP/Arquivos

Quase todos os países do mundo poderão experimentar temperaturas muito altas uma vez a cada dois anos a partir de 2030, indica um estudo publicado nesta quinta-feira, que destaca a responsabilidade dos maiores poluidores do mundo.

+ Final infeliz: 19 aventuras ao ar livre em que o pior aconteceu

+ O mergulho livre neste lago congelado é um passatempo assustador

+ Michel Bourez fora das competições pelos próximos seis meses

Publicado na revista “Communications Earth and Environment”, o estudo cruza dados históricos de emissões com os compromissos assumidos pelos cinco maiores emissores do mundo (China, Estados Unidos, União Europeia, Índia e Rússia) antes da conferência mundial sobre o clima COP26.

O objetivo é fazer previsões de aquecimento por região até o fim da década. O resultado mostra que 92% dos 165 países pesquisados terão um ano extremamente quente a cada dois. Os anos “quentes” acontecem quando atingem um nível recorde, que costumava ser alcançado uma vez a cada 100 anos na era pré-industrial.

Essa conclusão “ressalta a urgência e mostra que caminhamos para um mundo muito mais quente para todos”, assinalou Alexander Nauels, da ONG Climate Analytics, co-autor do estudo.

Para ilustrar a contribuição dos principais emissores para esse fenômeno, os pesquisadores recriaram como seria a situação se suas emissões fossem retiradas desde 1991, ano seguinte à publicação do primeiro relatório de especialistas climáticos da ONU (IPCC). De acordo com esse modelo, a proporção de países afetados por esses anos de calor extremo cairia para 46%.

Para Lea Beusch, da Universidade ETH de Zurique, o estudo mostra “a pegada clara” dos grandes emissores nas diferentes regiões. “Acho que é muito importante, porque, em geral, falamos de quantidades abstratas de emissões ou de temperaturas mundiais que conhecemos, mas que não podemos sentir”, explicou à AFP.

A perturbação é particularmente evidente nas zonas tropicais africanas onde “as variações de um ano para o outro costumam ser bastante fracas”, de modo que, “mesmo o aumento moderado que a região experimentará, em comparação com outras, a faz sair verdadeiramente do seu padrão climático conhecido”, indica Lea.

Em valores absolutos, os aumentos mais fortes ocorrerão nas altas latitudes do Hemisfério Norte, como já acontece. As consequências poderiam ser atenuadas com reduções significativas nas emissões dos países, mas, segundo a ONU, os compromissos atuais levarão a um aumento de 13,7% até 2030, longe dos -50% considerados necessários para atingir o objetivo ideal do acordo de Paris de 2015.

-Publicidade-