Fernanda Maciel completa travessia inóspita na Patagônia em tempo recorde

Por Redação

Fernanda Maciel teve a companhia da parceira de equipe Kaytlyn Gerbinciel na travessia. Foto: Arquivo Pessoal.

A ultracorredora brasileira Fernanda Maciel adicionou mais uma conquista no seu expressivo currículo ao completar a desafiadora travessia em torno do Hielo Continental, na Patagônia, em tempo recorde.

+ Fernanda Maciel: Gran Paradiso e Matterhorn em 24 horas
+ Viagem do sonho: As belezas da Patagônia chilena

+ UTMB: o paraíso do trail running entre três fronteiras

Com condições climáticas adversas, ventos fortes e geleiras inóspitas, a travessia do Hielo Continental – o terceiro maior campo de gelo do mundo – é considerada uma das rotas mais selvagens do planeta.

Normalmente, para completar o trajeto que termina em El Chaltén, na Argentina, é necessário uma jornada de 6 a 8 dias. Mas, ao lado de Kaytlyn Gerbin, companheira de equipe da North Face, a brasileira precisou de apenas 13 horas e 15 minutos para realizar o percurso, um tempo recorde.

Maciel, que também é advogada ambientalista, já havia experimentado os perigos da Patagônia há 12 anos, quando tentou a famosa travessia Circo de los Altares, também conhecida como La Vuelta al Hielo, mas na ocasião foi desviada devido ao mau tempo.

Desta vez, ela voltou à região para tentar experimentar o Hielo Continental. “A travessia é brutal e desafiadora, e só uma janela perfeita para poder completá-la com clima e logística alinhados. As duras condições aqui na Patagônia tiraram a vida de muitos amigos meus, então voltei com muito respeito por essas montanhas”, relata a atleta.

O tempo total de 13 horas e 15 minutos é quase sete horas mais rápido do que qualquer “fastest known time” registrado anteriormente nesta travessia. Depois do feito, as duas corredoras comemoraram, exaustas, mas felizes com a experiência e um novo recorde de uma tão esperada travessia pela terra das geleiras.

“O Hielo Continental tem uma beleza e importância únicas, e com a crise climática o campo de gelo pode se deteriorar ainda mais. Todo o Hielo Continental da Patagônia tem 350 quilômetros de extensão. Este é realmente um lugar muito raro e especial neste planeta”, diz Fernanda.

Kaytlyn Gerbin, corredora norte-americana, acrescentou: “Sempre quis me unir a Fernanda para um projeto, e estar na Patagônia é algo com que sempre sonhei. Aceitei o convite e imediatamente começamos a treinar, estudando a rota, observando as previsões do tempo e montando a logística para essa travessia desafiadora.”

A travessia

A travessia em torno do Hielo Continental começa na ponte do Rio Electrico e entra em uma floresta passando por Piedra del Fraile e depois cruzando o poderoso Rio Electrico. De lá, continua até La Playita, seguido por uma tirolesa e uma subida pela “Laguna de los 14” para chegar à entrada do Glaciar Marconi. A partir desse ponto são mais 30 quilômetros no campo de gelo, navegando por infinitas fendas ao longo da parte mais remota da rota. O ponto mais imponente está no meio do campo Hielo Continental, o famoso anfiteatro Circo de los Altares.

O Circo de los Altares está localizado na fronteira do Chile e da Argentina, tendo como pano de fundo as famosas grandes muralhas de Fitz Roy, Cerro Torre e Torre Egger .”O terreno aqui é selvagem. Correr juntas em uma corda pulando sobre milhares de fendas foi uma experiência inacreditável. Tivemos a sorte de ter boas condições e um dia lindo depois de tantos dias de mau tempo aqui na Patagônia”, diz Gerbin.

Maciel acrescenta: “As condições do campo de gelo mudam constantemente. Pode haver gelo azul ou neve fresca escondendo as fendas, ou pontes de neve que se tornam muito perigosas no calor do dia. Quando o gelo está estável e em condições seguras podemos correr, e quando não, estamos testando o terreno e atravessando com cautela. O resgate em fendas ou gretas foi algo que praticamos muito antes de iniciar esta rota.”

Depois de sair do Hielo Continental, a rota sobe o famoso Paso del Viento, passando pela borda do Glaciar Rio Túnel antes de cruzar outra travessia de rio em uma tirolesa. A partir daí, passa pela Laguna Toro e uma cansativa subida final antes de terminar a travessia na entrada do Parque Nacional das Geleiras, num total de quase 80 quilômetros de distância.

Para acompanhar mais aventuras da ultracorredora brasileira, siga o perfil @fernandamaciel_oficial no Instagram.

-Publicidade-