Etiqueta na ciclovia: 10 dicas para você pedalar melhor por aí

Por Verônica Mambrini

etiqueta na ciclovia
Foto: Shutterstock

Ok, não se trata apenas de etiqueta na ciclovia. As dicas valem para todo e qualquer espaço público compartilhado no trânsito, seja a rua, a calçada ou a ciclovia. Com a ampliação da malha cicloviária em muitas capitais no Brasil, serviços de bicicletas compartilhadas e mesmo a pandemia, que fez muita gente trocar o transporte público por bikes e patinetes, precisamos repensar em como dividimos o espaço. O Dia Mundial Sem Carro é uma ótima deixa.

+ Dia mundial sem carro tem programação em várias cidades do Brasil
+ Dia mundial sem carro: Menos carros, por favor!
+ 5 dicas para você começar a pedalar hoje

Quando algo dá errado, a tendência natural é jogar a culpa no outro. Mas o princípio básico da direção defensiva foca na prevenção de incidentes, e vale igualmente para bicicletas. Algumas das dicas abaixo são do ciclista Willian Cruz, editor do Vá de Bike, que já ajudou milhares de pessoas a começarem a pedalar e a trocar o carro pela bicicleta. Veja 10 maneiras de evitar acidentes e tornar seu percurso de bike mais agradável

1 – Seja previsível

Previsibilidade é um grande fator de segurança no trânsito. Sinalizar conversões, redução de velocidade, pedir passagem, tudo isso ajuda a evitar colisões e sustos. Dica complementar: faça contato visual. Olhar nos olhos os pedestres, motoristas e outros ciclistas é a maior garantia de ver e ser visto. Se você está na ciclovia, estar atento ao outro e indicar o que pretende fazer são igualmente importantes.  

2 – Acompanhe as regras da via

Outra forma de se manter seguro é respeitar as exigências da via. Numa ciclovia compartilhada com pedestres, por exemplo, o ciclista tem ainda mais responsabilidade de manter a velocidade moderada, evitar ultrapassagens e paradas bruscas e evitar assustar pedestres. Assim como em ruas e avenidas o ciclista espera ser respeitado por veículos maiores. Fora da ciclovia, é importante não trafegar na contramão, manter-se nos bordos da pista mas ocupando a faixa.

3 – Ultrapassagens

Ultrapassagens são um ponto crítico, principalmente quando alguém passa tirando fina do guidão. “Minha mãe de 79 anos parou de pedalar na ciclovia da Faria Lima por causa das ultrapassagens, ela morre de medo de ser derrubada”, conta Willian Cruz, editor do Vá de Bike. Ele ensina a fazer a manobra com segurança: quem vai ultrapassar tem que fazer como se faz ao dirigir: esperar para ter espaço e tempo suficientes para passar sem criar um momento de tensão e de possível acidente. “E não adianta gritar ‘esquerda’ para ultrapassar na ciclovia, porque ela não é pista de competição e ninguém tem obrigação de ‘abrir para a elite’: é preciso pedir licença, ou dar uma buzinadinha trim-trim (é pra isso que essa buzina serve)”. Não há pressa que justifique a falta de educação. “Quem reclama de outros que andam lentos na ciclovia ficaria impressionado com o efeito mágico de quando você pede licença de forma educada”, reforça.

4 – Tenha educação – e paciência

A educação, aliás, é a base da direção defensiva. Nas ciclovias mais movimentadas e horário de pico, é muito comum formar uma fila de meia dúzia de pessoas esperando o sinal abrir. “Todo mundo ali está com pressa, todo mundo quer cruzar o sinal assim que possível. Quem dispara achando que sua pressa é maior que a de todo mundo e atropela a fila inteira causa uma raiva indescritível”, explica Wllian. Peça licença, agradeça a passagem, dê bom dia – às vezes, um leve aceno de cabeça cumpre a missão. Se realmente está com pressa e precisa ultrapassar as pessoas, faça com segurança, quando o sinal abrir, de forma segura e com respeito. 

5 – Sinalize

Aprender a sinalizar é fundamental, e exige habilidade de tirar uma das mãos do guidão para fazer gestos que mostrem aos outros ciclistas e aos motoristas o que você vai fazer. Se você ainda não tem prática, tire um dia para treinar isso. Os gestos mais usados são estender a mão para a esquerda ou direita para indicar conversão, oscilar a mão para cima e para baixo para pedir que o outro veículo reduza a velocidade e apontar para o chão caso haja um obstáculo, avisando ao ciclista que vem atrás (o que implica que você pode reduzir a velocidade).

6 – Dê preferência ao mais frágil

Nas ruas e avenidas, a bike é um dos elos mais frágeis. Mas muitos ciclistas esquecem rapidamente disso quando estão em ciclovias. Independente dela ser compartilhada com pedestres, sempre que houver outro veículo mais frágil, o ciclista deve conduzir a bike de forma protetora. Pedestres, animais, carrinhos de bebê, patinetes… evite assustar os outros e seja cortês. 

7 – Siga o CTB

Todos somos elementos do trânsito: pedalar na calçada e andar na contramão, por exemplo, podem causar acidentes. É claro que o ciclista deve avaliar o que causa o menor risco para ele mesmo, sem criar riscos para os outros, tendo em vista os artigos do Código de Trânsito Brasileiro. 

8 – Evite conflitos desnecessários

Ainda que você esteja certo, no caso de desentendimentos, pode não valer a pena comprar a briga. Muitas vezes um sorriso ou um pedido de desculpas podem fazer milagres, poupar estresse e tempo para todos. Respire fundo, sorria, e deixe para lá se possível. Muitos ciclistas ou motoristas que erraram podem se surpreender e até ficarem constrangidos com a própria atitude. 

9 – Use equipamentos de segurança a seu favor

O capacete não é de uso obrigatório de acordo com o CTB, mas é uma ótima ideia considerando o trânsito urbano, que é cheio de imprevistos e pode evitar que um acidente se torne grave para o ciclista. Iluminação é um investimento que se paga totalmente: ser visto à noite ou nas horas de lusco-fusco é indispensável. Um sininho ajuda a sinalizar suas intenções de forma gentil e suave. E se você transita por locais de baixa visibilidade ou à noite, um colete neon pode ser extremamente útil (mesmo que não seja o acessório de estilo mais descolado do mundo).

10 – Curta a viagem!

Se você está pensando em trocar o carro pela bike, abrace a possibilidade de curtir o momento. Pedalar faz bem para a saúde, traz diversos benefícios psicológicos e contribui para a saúde geral ao reduzir as emissões de poluentes. Então, entre na vibe certa, para que imprevistos não estraguem o seu dia. 

-Publicidade-