Em breve você poderá combater a mudança climática bebendo cerveja

Por Redação

A crescente presença de CO2 na atmosfera é considerada a principal responsável pelo aquecimento global e pelas mudanças climáticas no planeta. E se pudéssemos aproveitar parte desse gás de efeito estufa para um bem maior, como produção de cerveja e outras bebidas com gás?

O Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation (CSIRO), o órgão nacional para pesquisa científica na Austrália, divulgou esta semana uma nova tecnologia chamada Airthena. “O Airthena captura CO 2 diretamente do ar usando pequenas esponjas conhecidas como estruturas metal-orgânicas (MOFs) e pode ser ampliado para produção comercial”, disse o CSIRO .

+ Cervejas ‘fortes’ podem fazer bem à saúde do seu intestino

Entre as aplicações prováveis da Airthena, é a fabricação de cerveja, que já utiliza gás carbônico. O CO 2  é responsável pela carbonatação da bebida, ou seja, é graças a ele que forma-se o colarinho.

O Airthena é capaz de capturar duas toneladas de CO 2 da atmosfera por ano, tornando-o adequado para aplicações em pequena escala no momento.

O líder do projeto da CSIRO, Aaron Thornton, disse que a solução tem amplas aplicações nas indústrias. “Como exige apenas ar e eletricidade para funcionar, a Airthena oferece uma opção econômica, eficiente e ecológica de reciclar CO 2“, disse Thornton.

+ O que acontece quando você bebe cerveja após o exercício

Um método comum atualmente utilizado pelas empresas para gerar CO 2 no local depende da queima de gás natural, que está sujeito a flutuações de preço e oferta de mercado. O CO 2 também podem ser comprados de um fornecedor, que pode envolver transporte de longa distância caro e ser propenso a escassez.

Embora a Airthena não tenha nenhum impacto imediato no corte das emissões globais de CO 2 devido à sua escala, ajudará as empresas com uma fonte mais confiável de gás. Além de apoiar suas operações diárias, enquanto reduz sua pegada de carbono.

A CSIRO agora está buscando opções para levar o Airthena ao mercado. Isto inclui reduzir o custo da unidade para aplicações em pequena escala e testá-la para garantir que atenda aos padrões de qualidade dos alimentos e industriais.