É possível ser body positive e ainda querer emagrecer? Os especialistas avaliam

É possível ser body positive e ainda querer emagrecer? Os especialistas avaliam
Foto: Rawpixel

Se você faz parte do movimento body positive enquanto ainda deseja perder peso – e se questiona se ambos podem coexistir juntos – você não está sozinha. Eu vi essa pergunta surgir em muitas conversas, e é hora de abordá-la.

+ Como a alimentação intuitiva pode mudar sua relação com a comida

+ 5 chás para melhorar a dor de cabeça

+ 5 truques para lidar melhor com o sol de verão no surf

Embora o movimento body positive apoie o bom relacionamento com o corpo, te ensinando a amar e abraçar sua imagem, sem a necessidade de mudar ou adequar uma versão social da beleza, isso não é exatamente o que vemos retratado nas redes sociais.

Pesquise #bodylove, #bodypositivity ou algo parecido, e você verá uma infinidade de mulheres heterossexuais, magras e caucasianas posando com um grande sorriso e legendando como elas amam seus corpos ‘perfeitamente imperfeitos’.

No entanto, o que nós, como sociedade, precisamos reconhecer é que o movimento body positive não aconteceu da noite para o dia, quando mais celebridades e influenciadores começaram a adotá-lo. Na verdade, começou quando o movimento de direitos gordos do final dos anos 1960 e começo dos anos 1970 começou a surgir.

A Associação Nacional para o Avanço da Aceitação da Gordura (NAAFA), a organização mais antiga do mundo que trabalha pela #EqualityAtEverySize (“Igualdade em todos os tamanhos”), independentemente do peso ou do físico, começou em 1969, quando um homem ficou chateado com a maneira como sua “esposa gorda era tratada continuamente”. Ele, ao lado de muitos outros, abriu caminho para formar um movimento que se esforça para fornecer uma cultura onde “as pessoas gordas sejam livres, celebradas e libertadas de todas as formas de opressão.”

Atualmente, embora a mensagem possa ter se perdido entre o mar de fotos das redes sociais, ainda é muito necessária.

De acordo com Cara Harbstreet, da Street Smart Nutrition e autora de Healthy Eating for Life: An Intuitive Eating Workbook to Stop Dieting Forever (“Alimentação saudável para a vida: um manual de alimentação intuitiva para parar de fazer dieta para sempre”), “A positividade do corpo de hoje em dia é pouco reconhecível em comparação com suas origens no grupo de gordura-positiva e movimentos de liberação do corpo.”

Dada a sua história profunda, é importante ter essa perspectiva antes de pensar por si mesmo se alguém pode ser body positive e ainda querer perder peso. E, sinceramente, não há resposta certa ou errada, de acordo com especialistas.

Harbstreet analisa que não há uma resposta clara para essa pergunta. “Para mim, a resposta é incrivelmente matizada por causa da forma como certos corpos continuam a ser centrados e recompensados (corpos magros, aptos, jovens, predominantemente brancos, cisgêneros) quando divulgam as mensagens de positividade corporal. Para outras pessoas que enfrentam o estigma do peso e a opressão corporal, mudar seu físico pessoal pode equivaler a segurança, sobrevivência ou status social mais elevado.”

Ecoando os pensamentos de Harbstreet, a nutricionista de renome nacional para perda de peso e diabetes Lauren Harris-Pincus, fundadora do NutricionStarringYOU.com e autora de The Everything Easy Pre-Diabetes Cookbook (“Livro de Receitas Práticas de Pre-Diabete”), compartilha: “Ninguém deve ser estigmatizado por sua aparência ou quanto pesam em qualquer circunstância. Mas seu corpo é sua casa e você precisa torná-lo um lugar feliz para se viver. Se isso significa que você deseja perder peso, então você deve fazer isso de maneira saudável.”

Harris-Pincus observa que, se você deseja mudar seu corpo, seu principal objetivo deve ser descobrir o motivo e, em seguida, aprender como abordar suas preocupações de forma mais saudável e sustentável possível, com a orientação de um profissional de saúde treinado.

Considerando que vivemos em uma época em que a perda de peso é um ponto comum de preocupação, é importante observar o que diz Harbstreet.

“A positividade corporal pode facilmente se tornar ‘tóxica’ quando você começa a pensar que se você não se sente 100% apaixonado pelo seu corpo o tempo todo, você deve estar fazendo isso ‘errado'”. Em vez disso, Harbstreet usa esse ponto para discutir abertamente com seus clientes as realidades do que pode ser necessário para mudar seus corpos, quais são os riscos e benefícios e se isso se alinha com seus valores pessoais.

Como a nutrição individualizada está se tornando a melhor prática de atendimento (como deveria; não há uma abordagem única para a nutrição), é importante trabalhar com cada pessoa e sua própria história para determinar o que é melhor para ela. Harris-Pincus compartilha que é crucial adaptar planos para indivíduos que lhes permitam viver uma vida mais saudável dentro de suas limitações. “Não acredito em dietas restritivas que alguém não possa seguir a longo prazo. A balança nunca é o foco, e a jornada para a saúde ideal envolve muito mais do que alimentos e peso, como estresse, sono, atividade física e autocuidado.”

À medida que nos aproximamos do novo ano, você pode começar a fazer parte da solução para ajudar a desestigmatizar uma cultura que prospera com a magreza enquanto ainda aborda e atende às suas próprias metas pessoais de saúde.

Por exemplo, enquanto a pesquisa está evoluindo no espaço da positividade corporal em relação a como as redes sociais retratam esse movimento, os dados atuais mostram que postar mensagens positivas sobre o corpo em uma foto de uma pessoa cuja aparência diverge do “ideal” comum mencionado acima é mais impactante para fazer mudanças no movimento body positive.

Harbstreet acrescenta: “Em um nível individual, podemos definir e reforçar limites para ambientes de saúde e fitness e procurar profissionais que incluam peso. Além disso, podemos nos concentrar na criação e manutenção de comportamentos que promovam a saúde – isso inclui hábitos que podem parecer familiares, como comer para o bem-estar e participar de movimentos que melhoram a vida.”

Em um nível social, ela ainda diz: “Também precisamos descentralizar a magreza, confrontar e combater o estigma do peso e abordar a anti-gordura conforme aparece nas políticas, sistemas e instituições. Toda a positividade corporal pessoal que você pode reunir não mudaria o fato de que você ainda estaria sujeito a experiências traumáticas e estigmatizantes nas mãos de uma sociedade muito gordofóbica.”

Portanto, embora a resposta possa não ser tão clara quanto você deseja, é hora de sentar consigo mesmo e ter uma conversa muito honesta sobre quais são seus objetivos. Se abranger a perda de peso apenas para atender a um número na balança ou a representação de “saúde” da sociedade, isso provavelmente não provocará mudanças a longo prazo.

Em vez disso, trabalhe com nutricionistas registrados e outros profissionais de saúde para encontrar o plano certo que funcione para você e seus objetivos. E sim, isso pode acabar significando que você está totalmente confortável em sua própria pele enquanto trabalha para atingir esses objetivos também. Lembre-se, eles não são mutuamente exclusivos.

-Publicidade-