Dor na lombar, o que pode ser? Veja as 4 causas mais comuns

Por Ryan Brandt, para a Outside USA*

Dor na lombar: o que pode ser? Veja as 4 causas mais comuns - Go Outside
Foto: Shutterstock

As estatísticas não são boas: dores nas costas incomodarão mais de 80% de nós em algum momento de nossas vidas e são o segundo motivo mais comum por que procuramos um médico (o campeão é a dor de cabeça). Entender o que pode ser a causa da sua dor na lombar é o primeiro passo rumo à recuperação e prevenção. Aqui estão as lesões mais comuns:

+ 5 exercícios de força para quem sofre com dor lombar
+ Como acabar com a dor lombar ao andar de bicicleta

Dor na lombar: o que pode ser? Veja 4 causas

1. Fadiga Lombar

O que é: Um diagnóstico infelizmente vago que abrange 90% de todas as lesões na lombar. É causado por um puxão ou beliscão em quaisquer dos músculos, ligamentos, tecidos conectivos, cápsulas articulares ou cartilagens em sua coluna.

Como acontece: Levantar algo pesado sem flexionar os joelhos, aterrissar de maneira desajeitada, acordar com uma dor generalizada – todos são provavelmente torções ou dissensões.

Qual a sensação: Uma dor ou rigidez difícil de localizar com exatidão e que pode se irradiar para o posterior das coxas.

Prognóstico: Com descanso apropriado e exercícios de baixo impacto, a maioria dos casos se curam em três meses. A má notícia: Eles costumam ser recorrentes.

2. Hérnia de disco

O que é: Uma ruptura nas fibras externas de um disco – a “almofada” que serve de amortecedor, absorvendo o impacto, entre as vértebras –, o que pode fazer com que o núcleo gelatinoso do disco empurre as fibras.

Como acontece: Os discos também perdem a fluidez com o passar dos anos.

Qual a sensação: se for uma hérnia pequena, você sentirá o tipo de dor associado à fadiga lombar. O desconforto piora se o disco pressionar algum nervo; e fica mais agudo se o disco fricciona o nervo ciático, causando possível dormência em uma perna.

Prognóstico: Mais de 95% das pessoas se recupera com descanso e tratamento. Injeções de esteroides, que controlam a dor e o inchaço por vários meses, são um tratamento comum para os casos mais difíceis.

3. Fratura por compressão

O que é: Uma fratura na estrutura óssea da vértebra. É mais comum nas vértebras que ficam a cerca de 2/3 do fim de sua coluna.

Como acontece: quando a coluna sofre um impacto súbito, ao mesmo tempo em que é flexionada – imagine dobrar-se à frente ao cair de bike ou de esqui.

+ Dor Lombar: ortopedista traz dicas para evitar esse incômodo tão comum
+ 8 posições de yoga para aliviar a dor lombar

Qual a sensação: dor intensa diretamente na espinha, onde a fratura ocorreu.

Prognóstico: Você provavelmente terá que usar um colete por seis semanas enquanto a fratura se regenera.

4. Espondilólise

O que é: infelizmente, algo tão ruim quanto o nome indica: uma fissura na parte sólida da vértebra. Assim como a hérnia, ela ocorre na base da espinha. Ainda pior é a espondilólise ístmica, uma fissura que força a vértebra a deslizar por cima da vértebra que está abaixo dela.

+ Dor nas costas? Confira dicas para evitar esse desconforto

Como acontece: de 4 a 7% das pessoas nascem com esse problema. Ele pode evoluir para uma espondilólise ístmica, o que pode ocorrer durante surtos de crescimento ou como resultado de exercício repetitivo, como uma fratura por estresse.

Qual a sensação: ambas podem causar dor similar à da tensão ou enteorse típicos; espantosamente, em alguns casos não há nenhum sintoma.

Prognóstico: dar um tempo das atividades que causam dor e fazer exercícios de fortalecimento dos músculos do core (abdome, dorsal e estabilizadores da coluna) geralmente é suficiente, apesar da cirurgia muitas vezes ser necessária.

 

*Matéria originalmente publicada em 2011

-Publicidade-