Dia Mundial do Chocolate: 5 dicas para comer o doce sem culpa

Por Redação

Dia Mundial do Chocolate: 5 dicas para comer o doce sem culpa
Foto: Kier in Sight Archives/Unsplash

Vai comemorar o Dia Mundial do Chocolate (7 de julho) na prática? Se sim, saiba que é possível comer chocolate sem culpa, caso você tome alguns cuidados.

+ Comer chocolate é bom para atletas? Veja o que a ciência tem a dizer
+ Exagerou no chocolate? Saiba o que fazer

“O segredo é buscar produtos de melhor qualidade nutricional”, afirma Renata Guirau, nutricionista do Oba Hortifruti, que dá cinco dicas de como escolher o chocolate e comer sem culpa.

Dia Mundial do Chocolate: 5 dicas para comer o doce sem culpa

1. Quanto mais cacau, melhor. As opções dos chocolates convencionais realmente saudáveis têm pelo menos 85% de cacau.

2. Quanto menos açúcar, melhor. Hoje em dia existem diversas opções adoçadas com estévia, açúcar de coco ou simplesmente sem açúcar.

3. Quanto mais puro, melhor. Evitar chocolates adicionados de biscoitos e confeitos. Isso geralmente garante melhor teor nutricional.

4. Quanto menos componentes, melhor. Uma lista com poucos ingredientes significa que mais qualidade tem o chocolate.

5. Quanto mais gostoso, melhor. Chocolate é um alimento que remete a prazer e pode ser consumido sem culpa, desde que não ocorra exagero na quantidade.

O consumo de chocolate, observa Renata, geralmente representa um momento de relaxamento. “Chocolate é um comfort food para muitas pessoas, mas, na prática, vale seguir o bom senso e manter o cuidado com a qualidade e quantidade ingerida. Mesmo sabendo das diferenças entre os tipos de chocolate, é possível fazer o consumo do nosso preferido, desde que isso ocorra com responsabilidade”.

E está comprovado. Nem só prazer proporciona o chocolate. Estudos sobre os efeitos do cacau no organismo mostram que os flavonoides presentes na fruta têm ação antioxidante e ajudam a reduzir marcadores de inflamação. Isso significa que alguns fatores de risco para doenças cardiovasculares podem ser minimizados com o consumo do alimento. “Versões acima de 85% cacau apresentam uma quantidade baixa de açúcar e alta da fruta e seus compostos antioxidantes”, lembra Renata.

A nutricionista aconselha a ingestão do alimento como sobremesa, em seguida às refeições, como almoço e jantar, que contêm mais fibras e proteínas. “Isso ajuda a reduzir a carga glicêmica, que fica maior quando ingerimos açúcar, e pode favorecer menos alterações de glicemia”.

Outra sugestão é utilizar o chocolate para preparar receitas ricas em antioxidantes e de mais baixa caloria, como calda para frutas, cobertura para sorvetes naturais e até mesmo consumir como fondue acompanhado de frutas para equilibrar o consumo calórico. “Dessa forma, as preparações não deixam de ter o sabor do chocolate, ajudam a não comer quantidades exageradas, uma vez que ajudam na saciedade, e ainda trazem diversos nutrientes que o corpo precisa”, diz Renata.

Além dos chocolates amargo, meio amargo e ao leite, os com derivados de coco e o rubi, que tem 47% de teor de cacau e sabor frutado intenso natural da amêndoa da fruta, são ótimas opções e podem ser usados na preparação das receitas que a nutricionista ensina.

+ Quatro bebidas fáceis e práticas que ajudam na recuperação física







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo