Se você pensou que a Suécia só exportou para o mundo a banda Abba, você está muito enganado. De fato, uma das maiores exportações socioculturais da Suécia em 2019 é bastante séria: é o flygskam. Em tradução livre é a “vergonha do voo”, o movimento inicialmente adotado pelo biatleta olímpico Bjorn Ferry em 2015 que visa fazer com que as pessoas evitem viajar de avião por conta da pegada de carbono maciça das viagens aéreas. O aumento global das viagens aéreas representa um enorme obstáculo à prevenção da crise climática. Um único voo de ida e volta de Nova York para Londres produz cerca de 985 quilos de dióxido de carbono por passageiro, segundo o Guardian. Em 56 países, uma pessoa em média emite menos dióxido de carbono em um ano inteiro.

+ Cinco atitudes pelo meio ambiente que você pode adotar na sua rotina
+ Hábitos e itens diários que prejudicam o meio ambiente

Agora, a ‘vergonha do voo ‘está chegando em outros lugares do planeta. Mas não é tão simples como dizer que todos os voos de avião são igualmente ruins e que todas as alternativas são sempre melhores. Para a pessoa que deseja viajar de maneira mais ecológica sem desistir de viajar, vale a pena aprofundar-se na comparação das emissões de carbono entre as opções disponíveis. Conversei com Don Anair, pesquisador da organização sem fins lucrativos Union of Concerned Scientists, que me ajudou a reunir nove princípios que ajudarão você a reduzir sua pegada de carbono ao planejar sua próxima viagem.

Considere dirigir em vez de voar em alguns casos

As viagens aéreas nem sempre são as piores. “Um veículo que percorre uma longa distância não será uma escolha tão boa quanto um avião para um único viajante”, diz Anair. Em um veículo padrão com economia de combustível média – cerca de 40 quilômetros por galão -, um viajante provavelmente emitirá mais carbono dirigindo sozinho do que economizaria a mesma distância. Isso ocorre porque, embora um avião gaste muito mais combustível que qualquer carro, o custo do carbono é compartilhado entre todos os passageiros do avião. Ao comparar carros com aviões por passageiro por quilômetro, um avião é quase sempre mais eficiente que um motorista individual.

Pegar um voo por uma hora ou menos, no entanto, será quase certamente a opção de viagem menos ecológica de todas, porque os aviões usam um combustível desmedido durante a decolagem e o pouso. “Portanto, para voos mais curtos”, diz Anair, “as emissões de decolagem e aterrissagem são uma fração maior da viagem geral”. O que significa que vôos mais longos de mais de uma hora, enquanto produzem mais emissões em geral, produzem menos emissões por quilômetro.

Voe direto

Sim, voe direto – ou pelo menos em linha reta. Uma escala significa dobrar as decolagens e aterrissagens com uso intensivo de carbono. Provavelmente também significa uma rota menos direta. Um voo de Houston para Nova York via Orlando consome muito mais combustível de aviação do que um voo direto. Se você tiver que pegar um voo de várias escalas, uma parada em uma cidade na direção em que você está indo é muito melhor do que uma cidade que está fora do caminho.

Escolha o ônibus (quase sempre) em vez de aviões, trens e (a maioria) automóveis

Há exceções em todas as regras, mas, em muitos casos, uma viagem de ônibus emite menos carbono que um carro, avião ou mesmo viagem de trem. “Viajar de ônibus é sempre uma boa opção de baixo carbono, mesmo quando comparado aos trens, para viagens interurbanas”, diz Anair. Apesar das recentes melhorias na eficiência de aviões e carros, os ônibus interestaduais geralmente têm as menores pegadas de carbono, especialmente quando você está viajando sozinho, por longas ou curtas distâncias. Obviamente, os ônibus são mais lentos que os aviões, mas não apenas são mais ecológicos, como também são mais baratos e espaçosos, além de oferecer comodidades gratuitas como Wi-Fi.

Caronas

Um carro todo ocupado – digamos, quatro pessoas – é muito melhor que um avião. Reduz a pegada de carbono por passageiro em cerca de 75%, em comparação com um motorista individual. Mas em um avião, uma família de quatro pessoas ocuparia quatro assentos que poderiam ser ocupados por clientes individuais. De fato, um carro híbrido com quatro pessoas é tão eficiente que provavelmente emitirá menos carbono do que quatro pessoas que viajam de trem e é até comparável ao de ônibus. Dirigindo um carro elétrico? Você arrasou!

Evite atrasos sempre que possível

Embora eles geralmente estejam fora de controle, tente planejar atrasos nos voos e tráfego ruim. Alguns aeroportos e transportadoras sofrem atrasos significativamente maiores do que outros, e os aviões que ficam inativos inutilmente na pista ou que voam em círculos acima equivalem a emissões de carbono completamente inúteis. O mesmo vale para carros no trânsito parado. “Se você estiver viajando em um veículo a gasolina, ficar preso no trânsito não é muito eficiente”, diz Anair. Optar por viajar ao longo de rotas ou durante horários do dia com menos congestionamento é uma maneira fácil de garantir que você não esteja aumentando sua pegada de carbono sem ir a lugar algum.

No final do dia, voe menos, não mais 

Dirigir para o parque nacional local em seu carro esportivo, comer exclusivamente carne vermelha e queimar o lixo ainda é provavelmente melhor para o meio ambiente do que voar para o Alasca para ficar em um chalé ecológico. Todas as formas de viagens de longa distância contribuem significativamente para a sua pegada de carbono. Alterar seus planos de férias de duas viagens de uma semana ao exterior para uma viagem de duas semanas ao exterior pode reduzir efetivamente pela metade as emissões de viagens de longa distância.

Em termos de viagens de negócios, que, de acordo com a Airlines for America, responde por cerca de 28% dos voos domésticos que os americanos fazem todos os anos; os funcionários devem utilizar as outras tecnologias para realizar reuniões e conferências. “Faça uma videoconferência em vez de fazer uma viagem de negócios. Isso pode reduzir a quantidade de pessoas que podem viajar em um ano ”, diz Anair. Mas se você precisar comparecer pessoalmente, considere abrir mão de seu assento na primeira ou na classe executiva para economia. “A primeira classe geralmente ocupa a área que acomodaria dois assentos econômicos”, diz Anair. Quanto mais espaço dedicado a assentos mais amplos, menos pessoas cabem em um avião. Sua escolha não afetará a pegada geral do voo, mas afetará sua viagem individual. “É um luxo que tem um preço alto”, diz Anair, “não apenas em dólares, mas em eficiência de carbono”.