Tomar café pela manhã realmente é um estímulo de energia ou apenas placebo?

Por Redação

cafeína treino
Foto: Shutterstock.
  • Pesquisadores compararam os efeitos neurológicos do consumo de café e da cafeína separadamente.
  • Eles descobriram que apenas o café, sem o consumo de cafeína, aumenta a atividade cerebral relacionada ao processamento visual e à função cognitiva.
  • Os resultados significam que alguns benefícios chave do consumo de café podem não estar relacionados à cafeína.

Seria possível que sua xícara de café durante a manhã seja apenas um placebo quando se trata de aumentar a atenção e o desempenho? Isso pode ser o caso, de acordo com um novo estudo que comparou os efeitos de beber café vs consumir apenas cafeína.

Muitas pessoas bebem café logo pela manhã para combater a fadiga, permanecer alertas e trabalhar de forma eficiente. Nos EUA, de acordo com o periódico Medical News Today, cerca de 75% da população com 20 anos ou mais bebe café, e aproximadamente 49% consomem a bebida diariamente.

Veja também
+ Estas são as melhores cidades litorâneas para apreciar cultura e mar
+ 6 dicas para aumentar sua energia nas manhãs, sem depender do café
+ Sobrado de Alceu Valença, em Olinda, fica disponível no Airbnb

O café contém vários compostos que afetam o cérebro de diferentes maneiras. A cafeína é o composto mais conhecido, já que ativa as vias de dopamina que aumentam a memória.

No entanto, embora se saiba muito sobre os efeitos neuroquímicos do café no cérebro, menos se sabe sobre seus efeitos psicológicos.

Por exemplo, algumas pesquisas mostram que, embora o café possa afetar o desempenho cognitivo em consumidores não habituais, tem menos efeito em consumidores habituais, pois eles desenvolvem tolerância.

A mesma pesquisa sugere que grande parte dos efeitos estimulantes do café e da cafeína podem ser explicados pela reversão dos sintomas de abstinência.

Pesquisas adicionais sobre como o café afeta o cérebro poderiam melhorar a compreensão do que motiva as pessoas a bebê-lo.

Recentemente, pesquisadores compararam dados de ressonância magnética funcional (fMRI) de consumidores habituais de café antes e depois de ingerir café ou cafeína separado.

Eles descobriram que tanto o café quanto a cafeína causaram mudanças na atividade cerebral, diminuindo “a conectividade da rede de modo padrão”. Isso sugere que consumir tanto cafeína quanto café ajudou as pessoas a fazerem a transição do repouso para o trabalho em tarefas.

No entanto, os pesquisadores também descobriram que outros modos de atividade são exclusivamente aumentados entre os consumidores de café. Isso pode ser devido à experiência sensorial de beber café ou a outros compostos presentes na bebida.

O brasileiro Dr. Antonio Teixeira, professor de psiquiatria e diretor do Programa de Neuropsiquiatria da UTHealth Houston, que não esteve envolvido no estudo, disse à Medical News Today:

“Os autores concluíram que parte dos efeitos comuns atribuídos ao café podem estar relacionados a mecanismos que não apenas à cafeína em si. Entre esses outros mecanismos, eles mencionam toda a experiência de beber café, que pode envolver algum efeito placebo, expectativas e até mesmo abstinência, que não foram investigadas no estudo.”

Os resultados do estudo foram publicados na revista Frontiers in Behavioral Neuroscience.

Quais são os efeitos de consumir café x apenas cafeína?

Para o estudo, os pesquisadores recrutaram 47 pessoas que bebiam pelo menos uma xícara de café por dia. A idade média dos participantes era de 30 anos, e 31 eram mulheres.

Todos os participantes foram solicitados a abster-se de consumir bebidas ou alimentos com cafeína por pelo menos três horas antes de participar do estudo.

No laboratório, os participantes passaram por duas varreduras de fMRI para investigar a atividade cerebral: uma antes e outra 30 minutos após ingerir cafeína ou tomar uma xícara de café. Durante as varreduras de fMRI, os participantes foram instruídos a relaxar e deixar a mente vagar.

No final, os pesquisadores descobriram que tanto o café quanto a cafeína reduziram a conectividade funcional na rede de modo padrão do cérebro (DMN, na sigla em inglês). A DMN está associada a “processos autorreferenciais quando os participantes estão em repouso”, como observado pelos autores.

Os pesquisadores observaram que a diminuição da DMN indica maior prontidão para fazer a transição do repouso para o processamento de contexto de tarefas.

Eles também observaram que o consumo de café, mas não de cafeína, diminuiu significativamente a conectividade entre as redes somatossensorial e motora do cérebro. Os pesquisadores escreveram que isso pode explicar por que as pessoas relatam maior eficiência psicomotora após beber café com cafeína.

O consumo de café, mas não de cafeína, também levou a um aumento da atividade nas redes de controle executivo e visual, implicadas no processamento visual e na função cognitiva de nível mais elevado, incluindo memória de trabalho, controle cognitivo e comportamento direcionado a objetivos.

Beber café é uma experiência sensorial

Os pesquisadores escreveram que os efeitos diferentes de consumir cafeína e beber café podem surgir da experiência sensorial.

Armargo Couture, nutricionista do Staten Island University Hospital, em Nova York, que também não participou do estudo, observou que os efeitos adicionais de beber café podem ser explicados pelo efeito placebo:

“O efeito placebo pode funcionar neste caso devido ao fato de que culturalmente, tomar uma xícara de café antes de começar o dia é a norma social. Essencialmente, muitos associam seu ‘café da manhã’ com ‘acordar’ e se preparar para o dia que está por vir.”

“Depois de acordar, muitas pessoas rotineiramente tomam sua xícara de café matinal antes de começar o dia, o que naturalmente se torna associado à produtividade. Se preparar para o dia com um café matinal é uma experiência coletiva e uma norma social, é daí que surgiu a frase ‘não fale comigo até eu tomar meu café da manhã'”, acrescentou ela.

Couture observou, no entanto, que os efeitos extras do café também podem surgir de outros compostos presentes nele.

“Componentes do café, como terpenos – cafestol e kahweol – e polifenóis, como ácidos clorogênicos, interagem com vários receptores cerebrais para aumentar a energia, melhorar o humor e nos dar uma mentalidade motivada. Os terpenos e polifenóis no café têm sido pesquisados e mostram ter propriedades anti-inflamatórias e antioxidantes, o que tem sido associado a um menor risco de depressão também”, acrescentou ela.

O que o estudo diz sobre os benefícios de beber café?

“Beber café aumentou o controle executivo dos sujeitos, o que significa que o café pode beneficiar sua mentalidade em relação aos objetivos, ao mesmo tempo que melhora sua memória de trabalho e cognição”, disse Couture.

“Para aqueles que têm dificuldades com disfunção executiva, beber café pode beneficiá-los aumentando sua motivação e memória de trabalho”, acrescentou ela.

Dr. Michael J. McGrath, psiquiatra certificado e Diretor Médico do Ohana Luxury Alcohol Rehab, também observou que os resultados mostram que alguns dos benefícios de beber café vêm independentemente da cafeína.

Isso, segundo ele, significa que beber café descafeinado de manhã também poderia fazer as pessoas se sentirem mais alertas e focadas.







Acompanhe o Rocky Mountain Games Pedra Grande 2024 ao vivo