Dois adolescentes israelenses descobriram um tesouro de centenas de moedas de ouro que datam de 1.100 anos atrás.

O tesouro, enterrado em uma jarra de barro, foi descoberto em uma escavação arqueológica em Yavne, no centro de Israel, disse a Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA) na segunda-feira.

+ Famoso tesouro é encontrado nas Montanhas Rochosas
+ Cidade de 5 mil anos é descoberta no centro de Israel

De acordo com o Robert Kool, especialista em moedas do IAA que conversou com a CNN, as moedas datam do final do século 9. Na época, a região estava sob o controle do califado abássida islâmico, uma dinastia que governava um território da Argélia ao Afeganistão. As moedas – 425 ao todo – eram feitas de ouro puro de 24 quilates e pesavam 845 gramas.

“Com essa quantia, uma pessoa poderia comprar uma casa luxuosa em um dos melhores bairros de Fustat, a enorme e rica capital do Egito naquela época”, disse Kool.

Os adolescentes, que participavam do serviço nacional pré-militar, inicialmente pensaram ter encontrado algumas folhas muito finas enterradas em um frasco. “Foi incrível. Cavei no chão e vi o que parecia ser folhas muito finas”, disse Oz Cohen, um dos jovens que encontrou as moedas, em um comunicado. “Quando olhei de novo, vi que eram moedas de ouro. Foi realmente emocionante encontrar um tesouro tão especial e antigo.”

Feitas de ouro puro que não oxida com o ar, as moedas foram encontradas em excelentes condições, como se tivessem sido enterradas na véspera. “A descoberta pode indicar que houve comércio internacional entre os residentes da área e áreas remotas”, disse Liat Nadav- Ziv e Elie Haddad do IAA.

Em 2016, um caminhante encontrou uma moeda de ouro de 2.000 anos com o rosto de um imperador romano no leste da Galiléia. A moeda é tão rara que apenas um outro exemplo desse tipo é conhecido, disseram os especialistas na época. E em 2015, os mergulhadores encontraram um tesouro de quase 2.000 moedas de ouro no antigo porto mediterrâneo de Cesaréia, que havia definhado no fundo do mar por cerca de 1.000 anos.

-Publicidade-