Não é só sobre manobras

EM SAMPA: Peninha quebrando na Wave Park (Foto: Klaus Mitteldorf)

“É sobre adrenalina, sobre sensação, sentir o vento”, dizem os skatistas entrevistados em Uretano no Asfalto. Este documentário (70 minutos de duração) pretende resgatar as raízes do skate na cidade de São Paulo durante os anos 1970.

Segundo Luiz Fernando Silva, um dos diretores do filme e precursor do esporte por aqui, o intuito foi documentar a chegada e a “revolução” causada pelo skate na maior cidade do Brasil. Para Filipi de Canto, outro diretor de Uretano no Asfalto, a ideia deste resgate é compreender o movimento jovem urbano que, em plena época da ditadura, modificou conceitos culturais na arte e na música, além é claro, da importância que teve no esporte. “O skate quebrou paradigmas e influenciou gerações futuras ”, diz.

“Uretano” remete ao material que passou a integrar a composição das rodinhas dos skates naquela época, trazendo mais aderência e ajudando na evolução das manobras. Para o roteiro, foram entrevistados, além de skatistas, fotógrafos, cineastas, empresários e outros personagens que participaram deste momento rico do esporte. Eles eram os “caras da pesada” dos anos 1970, que fumavam maconha e se vestiam “diferente”.

O lançamento de Uretano no Asfalto está marcado para o dia 24 de outubro (sábado), às 14 horas, na pista de skate Cave Pool (Av. Eliseu de Almeida, 984, Butantã, SP). Grandes nomes do esporte vão estar por lá.

Assista ao trailer a seguir.

-Publicidade-