Rivalidade em alta

Depois de bater o recorde de subida e descida em velocidade no Aconcágua, na Argentina, o corredor catalão Kilian Jornet é batido pelo suíço-equatoriano Karl Egloff – veja aqui alguns números dessa “briga” de gigantes

Por Fernanda Beck

A BRIGA ERA BOA, e o cenário não poderia ser mais instigante: o Aconcágua, de 6.962 metros, localizado na Argentina. Em menos de 60 dias, a montanha mais alta das Américas serviu de palco para dois impressionantes recordes mundiais. Primeiro quem atacou foi o catalão Kilian Jornet, atualmente o nome mais conhecido da corrida em trilha. No dia 23 de dezembro, ele “voou” de Horcones, na portaria do Parque Provincial do Aconcágua, até o cume e voltou em apenas 12h49m – em geral, a jornada leva em média 20 dias para ser feita por montanhistas não profissionais. Mas o feito não duraria muito tempo: em 19 de fevereiro, o suíço-equatoriano Karl Egloff fez o mesmo percurso em 11h52m, diminuindo a façanha de Kilian em 57 minutos.


CÉUFI: Karl faz um autorretrato no topo do Aconcágua antes de voltar correndo para Horcones (Todas as fotos:
CUmbre Tours).

Muitos consideram a ascensão até o cume do Aconcágua relativamente “fácil”, por exigir pouca habilidade técnica. Porém a caminhada até lá é bastante dura devido aos ventos impiedosos e às temperaturas extremas.


A UNIÃO FAZ A FORÇA: Karl (abaixado, de boné vermelho) e sua equipe posam para uma foto na base
da montanha.

Apesar da rivalidade, os dois atletas foram cavalheiros e trocaram elogios. “Para mim é uma honra enorme ser comparado a Kilian, o maior corredor de montanhas do planeta”, disse Karl. Ultimamente o suíço-equatoriano tem ficado na bota do catalão: ele já havia “roubado” o recorde em velocidade de Kilian no Kilimanjaro (5.895 metros), a montanha mais alta da África, em agosto de 2014, fechando a rota em 6h42m. Já o espanhol realizou-a em 7h14m. Para esquentar ainda mais a competição, Karl está pensando em atacar o europeu Mont Blanc (4.810 metros), onde Kilian possui o recorde de velocidade, com 4h57m. “Talvez eu tente a sorte no verão europeu deste ano ou em 2016. Ainda não tenho certeza.” E aí, quem é o verdadeiro rei das montanhas?

KILIAN JORNET BURGADA


MESTRE: O catalão Kilian Jornet.

De onde é: Sabadell, na Espanha

Idade: 27 anos

Altura: 1,71 metros

Peso: 58 quilos

Carreira: Especialista em ultramaratonas, Kilian começou a subir montanhas aos 3 anos de idade. Aos 5, chegou ao cume do monte Aneto (3.404 metro), o mais alto dos Pirineus. No ano seguinte, alcançou o topo do Breithorn (4.164 metros), na Suíça. Profissionalizou-se oficialmente como corredor em 2004.

Principais conquistas: É tricampeão da Ultra-Trail du Mont-Blanc e tricampeão mundial do circuito Skyrunning.

KARL EGLOFF


PUPILO: O equatoriano Karl Egloff.

De onde é: Quito, no Equador

Idade: 33 anos

Altura: 1,75 metros

Peso: 63 quilos

Carreira: Mais alpinista do que corredor, de acordo com ele próprio, Karl subiu sua primeira montanha, o Cotopaxi, no Equador (5.897 metros), aos 15 anos. Jogou futebol em times de base na Suíça e no Equador antes de se tornar guia de alta montanha.

Principais conquistas: Já esteve no cume do Aconcágua outras cinco vezes e no topo do Kilimanjaro em 11 ocasiões.

O Aconcágua em números

6962 metros de altitude

60 km

Trajeto (ida e volta) percorrido por Karl e Kilian

4.000 metros

Desnível enfrentado pelos dois corredores ao longo do percurso

6

Número recorde de vezes em que o topo foi alcançado pela mesma pessoa em uma só temporada: o argentino Gabriel Cabrera chegou ao cume seis vezes na temporada de 2002/2003.

6.488

Número médio de visitantes do parque por temporada (de novembro a março)

3

Média de pessoas que morrem no Aconcágua por ano – principalmente de doenças relacionadas a altitude e hipotermia.

135

Mortes registradas no parque

1897

Ano em que o Aconcágua foi escalado pela primeira vez, pelo suíço Matthias Zurbriggen

-25ºC

Temperatura média do cume no verão (no inverno o topo do Aconcágua não é visitado, e as temperaturas nunca passam de 0ºC)

-Publicidade-