Polícia no ar rarefeito

Influenciado pelo assassinato de 11 alpinistas na montanha Nanga Parbat, em 2013, o governo paquistanês decidiu criar agora uma força policial especial para providenciar maior segurança para os montanhistas que visitam a região de Gilgit-Baltistan. Em 22 de junho de 2013, 11 montanhistas foram mortos no acampamento base do Nanga Parbat. O grupo terrorista Tehrik-i-Taliban assumiu a autoria do ataque na época.

Gilgit-Baltistan, no norte do país, é uma área de alto interesse para montanhistas, pois se trata de uma região central entre as cordilheiras do Himalaia, Handukuch e Karakoram. De acordo com o jornal Pakistan Today, as autoridades locais criaram a Unidade Policial para Altas Altitudes para garantir a segurança de montanhistas tentando ascensões de todos os picos. Seus integrantes serão treinados para agir em temperaturas baixíssimas e altitudes elevadas, e todos já têm experiência em esportes de neve e escaladas.

O inspetor geral da polícia paquistanesa, Zafar Iqbal, anunciou a formação da nova unidade no último domingo. "A Unidade Policial para Altas Altitudes foi estabelecida com 50 homens de contingente inicial, mas esse número vai crescer", afirmou Mubarak Jan, porta-voz da instituição.

Os policiais também acompanharão turistas que visitarem o Nanga Parbat, o K2 e outras montanhas. A região vem sofrendo com a diminuição do turismo ao local, devido ao medo de conflitos e violência.


VIGIADOS: A região de Gilgit-Baltistan agora está sob o olhar da polícia local (Foto: Joseph Bautista / Flickr).

-Publicidade-