O avesso da competição

Por Revista Hardcore

Cada um dos 20 surfistas convidados leva as pranchas mais queridas e esquisitas para a praia, dividem-se em equipes de cinco e dão início a um festival de surf com uma competição sem notas, sem juízes e sem regras. A palavra de ordem é diversão.

Segundo Junior Faria, surfista experimentalista, colunista da HARDCORE e convidado para o festival, os foguetes marcam a evolução dos equipamentos no Brasil – de Homero a Patrô, Procópio, Lasco e HP Surfboards – e no mundo – Mark Richards e Lightning Bolt, por exemplo.

Além disso, Diniz Iozi, o “Pardal”, do Museu do Surf de Santos, deixou à disposição dez pranchas de seu acervo para a galera testar.

“Vale de tudo”, conta Junior. “A ideia é experimentar. Deslizou e não afundou, está valendo. Nosso principal objetivo é proporcionar aos convidados a oportunidade de evoluir ideias e trocar experiências, dentro e fora do mar. Um brainstorm ao ar livre, regado a cerveja gelada, boas risadas e muito surfe.”

Foi assim a segunda edição do Turbu Unicórnio Classic, que rolou em um “Secret” no Guarujá, durante o dia 19 de novembro. O festival, idealizado por KK Orlandi e Caio Casasco, deixa de lado o ar sério e tenso que geralmente paira sobre as competições.

“O objetivo é evoluir ideias e experiências dentro e fora do mar”, diz Orlandi. “Um brainstorm ao ar livre, regado a cerveja gelada, boas risadas e muito surf.”

O festival funcionava da seguinte maneira: duas equipes caíam no mar por vez, em baterias de quarenta minutos, enquanto as outras duas observam do lado de fora e pontuam os surfistas em cinco categorias inventadas na hora.

Quem ganhou foi o time Vermelho, composto por Andrew Serrano, Alexandre Wolthers, John Magrath, Rodrigo Matsuda e Daniel Nishimura. Wolthers, aliás, levou a categoria Unicórnio Macho Alpha – ou simplesmente “Melhor Surfista”.

Já o Unicórnio Extravagante, aquele que realizou as manobras mais diferentes, foi Bruno Braga. O Best Tubo ficou com o renomado shaper Neco Carbone. E, por fim, o Unicórnio João Canabrava – para o surfista que ficar mais bêbado na confraternização – foi Caio Casasco.

Também participaram do Turbu Unicórnio os surfistas Heitor Pereira, Cassio Sanchez, Daniel Cortez, Leco Salazar, Sidney Guimarães, Fabio Burns, Rodrigo Guedes, José Caputo, Marcelo Carbone e Fabio Franco.

Confira abaixo algumas fotos do Turbu Unicórnio 2014:


Turbu Unicórnio Classic 2014 (Foto: Alexandre Ruas / Turbu)


Turbu Unicórnio Classic 2014 (Foto: Alexandre Ruas / Turbu)


Turbu Unicórnio Classic 2014 (Foto: Alexandre Ruas / Turbu)

Turbu Unicórnio Classic 2014 (Foto: Alexandre Ruas / Turbu)


Daniel Cortez, Turbu Unicórnio Classic 2014 (Foto: Alexandra Ruas / Turbu)


Turbu Unicórnio Classic 2014 (Foto: Alexandre Ruas / Turbu)

John Magrath (Foto: Alexandre Ruas / Turbu)

-Publicidade-