O amor é uma viagem

Dicas para uma escapada romântica na natureza

O melhor para namorar

Tofino
Tofino (Foto: wickinn.com)

Quando eu dizia às pessoas que estávamos indo a Tofino, na ilha de Vancouver (oeste do Canadá) para a nossa lua de mel, eu tinha a sensação de que pensavam que deveríamos ter escolhido um lugar mais quente ou mais exótico – ou ambos. Mas nós não nos importávamos. Tofino foi recomendação de fontes confiáveis. Durante as primeiras noites, minha esposa Nicole e eu reservamos um dos dois chalés da ilha Frank (frankisland.com). Era uma casa na árvore com energia solar e muita privacidade – a única maneira de se acessar a “ilha” é por meio de uma trilha de 10 minutos, por uma península de areia. Nós não queríamos ir embora, apesar de sabermos que nossa próxima hospedagem, no Wickaninnish Inn (wickinn.com) um resort à beira do mar localizado no alto do costão, seria totalmente luxuoso. E era. Na maior parte do tempo nós passeamos pelas praias abaixo do Wick, mas uma manhã nós alugamos uns caiaques e exploramos o canal Clayoquot (tofino-kayaking.com). Temos planos de voltar no nosso aniversário de casamento. (SAM MOULTON)

O melhor para um sex on the beach

Aprenda a surfar em Kona (Foto: learntosurfkona.com)
Aprenda a surfar em Kona (Foto: learntosurfkona.com)

Maui é ótimo para passeios a pé, e Oahu é bom se você está carregando uma tribo de crianças. Mas, com 10 mil quilômetros quadrados, a Grande Ilha oferece o que nenhuma outra consegue: variedade. Lá você encontra bangalôs de estilo polinésio e de frente para o mar – tudo o que você precisa. Alugue um carro, por via das dúvidas. A ilha tem um dos melhores pontos de observação de estrelas do mundo, o Mauna Kea, de 4.200 metros de altitude (ifa.hawaii.edu/mko). Se for dia de praia, vá para a costa leste e caminhe até a estrada de acesso ao vale Waipio, onde 1,6 quilômetros de areias negras te esperam. E, na última noite, pegue umas cervejas, dirija pela estrada de terra pra lá do aeroporto Upolu até os penhascos vulcânicos na costa norte e observe as baleias jubarte nadando pelo canal enquanto o sol se põe. E nasce. (RYAN KROGH)

O melhor para os chiques

casa Luna
A Casa Luna, Resort Punta Mita (Foto: puntamita.com)

Está a fim de uma ostentação? Pegue um avião para Puerto Vallarta, no México, dirija 45 quilômetros para o norte, até a elegante área de resorts de Punta Mita, e se registre em uma das luxuosas hospedagens com vista para o mar (as opções são Hacienda de Mita Villas, o St. Regis e a Casa Luna; puntamita.com.mx). Para jantar, adentre a vila El Anclote para uma refeição com o pé na areia no Blue Water Grill (não tem telefone, pergunte por ali) ou tente o mais elegante Café des Artistes del Mar. Na manhã seguinte, vá até a lojinha de surf Acción Tropical de El Anclote (acciontropical.com.mx) e chame algum dos instrutores locais. Eles pegarão as pranchas e levarão rapidamente você e a sua cara-metade num barquinho até uma maravilhosa prainha com ondas para todos os níveis. Depois do surf, corra para o Punta Mita Residents’ Beach Club, peça duas espreguiçadeiras naquela praia maravilhosa e alguns tacos de camarão, e reserve duas massagens, lado a lado, ao ar livre. Fique até o sol se por. No dia seguinte, repita tudo. (MARY TURNER)

O melhor para relaxar e treinar

picinguaba
Picinguaba (Foto: pousadasantamartha.com.br)

Era um feriado de quatro dias e eu ia viajar com o namorado, depois de três semanas de saudade. Queria muitas coisas para aqueles dias: mostrar a ele, estrangeiro, o litoral selvagem brasileiro; estar num lugar tranquilo, mas não entediante; ter conforto e boa comida, mas sem frescuras; e que, além da preguiça, possibilitasse também um bom treino. Encontrei tudo isso em Picinguaba, na Pousada Santha Martha, do simpático Seu Antônio. Incrustados no alto do morro, no meio da Mata Atlântica, os quartos com decoração rústica e romântica têm uma varandona onde, deitados na rede, você e seu amor poderão olhar o mar lá embaixo enquanto estão rodeados pela mata. A praia de Picinguaba é pequena e mais movimentada, mas a vizinha Fazenda tem três quilômetros de perfeita solidão e areia batida, ótima para uma corrida. No fim dela, uma trilha de 20 minutos leva até a praia Brava da Almada, a minha favorita em todo litoral norte paulista. Isolada, com uma única família moradora, ela tem onda em um dos cantos, e muitos Chapéus de Sol pra você passar o dia inteiro na praia sem torrar. A pousada disponibiliza caiaques: dá pra ir até a Fazenda e a Brava da Almada remando, para mudar a perspectiva. Incrível imaginar que foi exatamente isso que os portugueses viram quando se aproximaram da nossa costa. O rio da Fazenda também vale a remada. Quando voltarem famintos, Antonio serve uma comidinha deliciosa. Mas o bom mesmo é o café da manhã na Santha Martha: um dos melhores que já comi em pousada. (ANDREA ESTEVAM)

O melhor para agradá-la

matutu
Patrimônio do Matutu (Foto: patrimoniodomatutu.com.br)

Esqueça joias ou suítes de hotel caras, cheias de buquês de rosas. A fórmula vencedora para uma viagem romântica só tem um ingrediente: deixe-a tomar as decisões. Sua parte vai ser apenas a de organizar e sugerir as coisas de forma que você concorde e sorria – de verdade – com as decisões dela. Comece com “o que você acha do vale do Matutu?”. Situado no município de Aiuruoca, sul de Minas Gerais, a 365 quilômetros de São Paulo e a 330 quilômetros do Rio de Janeiro, fica dentro de uma área de proteção ambiental. Aceita a sugestão, diga que ela pode escolher o hotel, mas que uma das melhores formas de se conhecer os encantos dessa região é hospedar-se na casa de hóspedes Patrimônio do Matutu. Fica no fundo do vale, a 2,5 quilômetros do último ponto acessível de carro – o restante do trajeto deve ser feito numa caminhada super agradável de 40/50 min. Para facilitar o transporte da bagagem, você leva seus pertences de mão e o restante vai nos burros. A casa fica em um ponto alto com um belo visual do vale e do seu principal atrativo: a Cachoeira do Fundo, que despenca em várias quedas e na última dá para se tomar banho. Mas hoje ela está com preguiça e não quer caminhar duas horas até lá. Ok, todos os quartos da pousada têm uma maravilhosa vista para a cachoeira, as camas são muito confortáveis e as refeições são excelentes, com base vegetariana, sempre preparadas com muito amor e carinho pela Marcilene. À noite, como não há energia elétrica, vocês podem ficar em frente à lareira antes e após o jantar à luz de velas, tomando vinho. O passeio do dia seguinte? Amor, dizem que o Pico do Papagaio é uma das principais atrações de Aiuruoca. Com seus 2.290 metros de altitude, possui trilhas que levam ao topo, passando por densa mata nativa e cachoeiras. Prefere só se refrescar hoje? Tudo bem, fica pra amanhã. Que tal então conhecermos a Cachoeira Deus Me Livre, a 5 km do centro de Aiuruoca, com três quedas d’água que deságuam numa bela piscina natural? Tem também a Cachoeira do Batuque, com uma queda d’água de 25 metros e um visual incrível. Topa?