No frio do Alasca

Desde 1973, os melhores atletas de dogsledd – corrida em trenós puxados por cachorros – se reúnem no Alasca para participar de uma das competições mais duras do mundo, a Iditarod Trail Sled Dog.

A edição deste ano começou, como de costume, no primeiro sábado de março (dia 1º). A Iditarod é a prova mais clássica e dura da modalidade. O percurso de 1.800 quilômetros corta o Alasca, das cidades de Anchorage a Nome, passando por duas cadeias de montanhas, rios congelados, florestas, tundras e planícies costeiras. No caminho, as equipes – formadas por uma pessoa e uma matilha de 12 a 16 cães – tentam avançar o mais rápido que podem, carregando equipamentos e comida para até três semanas de competição. Como nas corridas de aventura, cada equipe desenvolve uma estratégia de sono, ritmo e alimentação.

Este ano, a prova foi exigente para homens e animais: ventos fortíssimos baixaram a temperatura a até 60º C negativos. De lá, o quatro vezes campeão da competição, Jeff King, registrou o vídeo abaixo e, com uma câmera acoplada em seu capacete, filmou um dos trechos difíceis enfrentados pelas equipes. Segundo o site da Outside norte-americana, vários atletas disseram ter tido sorte de ainda estarem vivos e já consideram a edição como a mais difícil da história da Iditarod.

A competição foi acirrada e decidida nos últimos quilômetros, quando o norte-americano Dallas Seavey, que em 2012 se tornou a pessoa mais jovem (26 anos de idade) a vencer a prova, cruzou a linha de chegada às 11 horas da noite. Durante o desafio, Dallas ficou até quatro horas atrás do tetracampeão Jeff King, que liderava a competição, mas no fim ficou para trás.

No fim, Dallas se superou chegando apenas 4 minutos à frente do norte-americano Aliy Zirkle, que terminou em segundo pela terceira vez consecutiva. Veja mais fotos e outras notícias sobre a prova aqui.

-Publicidade-