Rocky Man reúne monstros dos esportes outdoor no RJ


MENINO DO RIO: Caio Vaz venceu a etapa de surf no Arpoador

Foram dois dias intensos, em que mais de cem dos maiores atletas de esportes outdoor do Brasil e do mundo se dividiram em quintetos para enfrentar sete etapas e seis modalidades diferentes em pleno Rio de Janeiro. Durante o Rocky Man 2013, que rolou entre os dias 8 e 9 na Cidade Maravilhosa, a capital fluminense virou palco de desafios de escalada, surf, mountain bike, stand-up paddle, corrida em trilha (feminina e masculina) e canoa polinésia. Pela segunda vez desde que o evento – organizado pela Go Outside – foi criado, em 2012, os integrantes do Team USA venceram a competição. Capitaneada por Paul Romero, corredor de aventura e mountain bike consagrado, a equipe reuniu feras como o surfista brasileiro Caio Vaz e a corredora norte-americana Stevie Kremer. Não teve para ninguém: mesmo com rivais de peso, como os simpáticos atletas do Team New Zealand e os experientes guerreiros da brasileira Quasar Lontra, os pupilos de Paul Romero estavam focados em ganhar o jogo. E conseguiram o que queriam.


O Rocky Man começou na sexta-feira (dia 8) com a etapa de escalada. Devido às chuvas que atingiram o Rio de Janeiro na semana passada, a prova teve de ser deslocada para a academia indoor de escalada Evolução, em Botafogo. Os escaladores precisaram enfrentar quatro duras vias (duas deles de bônus), com belas participações dos brasileiros Octavio Bernardes (da Canoar) e André Okuno (da Selva Aventura), segundo e terceiro lugares, respectivamente. O grande vencedor da etapa foi o californiano Joe Maier, o único a completar – com graça e leveza supreendentes – as vias propostas.


No sábado (dia 9), a etapa de surf teve início às 7h, no Posto 10, em Ipanema. Divididos em cinco baterias, os surfistas tiveram de correr 2,5 quilômetros até o Arpoador, onde pegaram ondas por 20 minutos cada. Sorridente e humilde, o carioca Caio Vaz – que substituiu de última hora a lenda Chuck Patterson no Team USA – não conquistou apenas o público, mas o júri. Pegou as melhores ondas do dia, fez bonito e desbancou o também carioca Pedro Scooby (da Núcleo Aventura), campeão da etapa no ano passado.


Em seguida, largaram os valentes mountain bikers, que tiveram de percorrer 45 quilômetros de muita subida pelo Alto da Boa Vista. Lá em cima, precisaram fazer três voltas em um percurso de terra extremamente técnico. O catarinense Ricardo Pscheidt, da equipe Sul Brasilis, manteve o foco do início ao fim. Talvez com o vice-campeonato engasgado desde o ano passado, o ciclista jogou duro, mesmo tendo em sua cola o fortíssimo mineiro Thiago Aroeira, da equipe Selva Aventura. Após o trecho de terra, vinha o impressionante downhill do alto da Floresta da Tijuca até a Lagoa Rodrigo de Freitas. Antes da chegada, um “presente”: os atletas tinham de fazer uma volta completa na areia fofa do Jóquei Clube. “A areia foi, de longe, a parte mais difícil”, contou Pscheidt, o vencedor da etapa, que completou o trajeto em 2h07min51s.



FERA: Luiz Carlos "Animal" Guida conquistou a liderança na etapa de stand-up paddle

Na Lagoa, foi a vez de os remadores testarem suas forças em 8 quilômetros de stand-up paddle. Como em 2012, Luiz Carlos “Animal” Guida, da Quasar Lontra, deixou os concorrentes para trás, terminando com 52min01s. Paulo dos Reis, da Brasília Multisport, chegou seis segundos depois, seguido de Vinicius Martins, da Sul Brasilis (53min37s).


Aproximava-se, então, a etapa considerada a mais difícil da prova: a corrida em trilha, que, com um percurso de 33 quilômetros e subidas de arrepiar os cabelos, quebrou muita gente boa. Primeiro, foi a largada feminina, seguida meia hora depois pela masculina. Provavelmente com a performance mais impressionante do Rocky Man, a norte-americana Stevie Kremer esmiralhou qualquer pretensão das adversárias de deixá-la para trás. Após 2h42min28s, a moça de simpatia contagiante cruzou a linha de chegada de sorrido aberto e sem parecer muito exausta. Diferente das rivais, que completaram o percurso muitas vezes pálidas e sem forças. Nomes fortes como o da carioca Manu Vilaseca passaram mal e por pouco não abandonaram a competição, que ocorreu sob forte calor e sol. Em segundo, ficou Beatriz Neres da Silva, da equipe Ironman, e, em terceiro, Tessa Roorda, da Quasar Lontra.


FORÇA KIWI: O neozelandês Daniel Jones sofreu cercado das belezas do Rio de Janeiro


Na etapa de trail running masculina, o jovem neozelandês Daniel Jones venceu com um tempo de 2h24min02s. Abatido e muito pálido, sentiu o calor e a dureza do percurso. Em seguida, com 2h30min20s, o norte-americano Marshall Thompson chegou em segundo lugar, seguido pelo sempre forte brasiliense Alexandre Manzan, da Núcleo Aventura.


Os corredores tiveram pouco tempo para se recuperar: logo em seguida, tiveram de remar, junto com sua equipe, 12 quilômetros de canoa polinésia na Praia Vermelha. E, logo que saíram da embarcação, precisaram correr todos juntos mais 10 quilômetros até o Posto 10, para finalizar a competição. Na etapa de canoa, os atletas da Brasília Multisport chegaram na frente (1h02min04s). Em segundo, os norte-americanos do Team USA (1h05min41s) e depois os brasileiros da Start (1h05min42s).



REMEM!: A etapa de canoa polinésia teve como testemunha o Pão de Açúcar

No cômputo geral, o Team USA consagrou-se campeão, acumulando 10h51min07s de prova. O vice-campeonato foi conquistado pelos neozelandeses (11h31min16s) e, em terceiro, os brasileiros da Núcleo Aventura (11h37min36s).

Para saber mais sobre o Rocky Man, acesse www.rockyman2013.com.br

-Publicidade-