Seis perguntas para fazer antes de beber água não purificada

Uma boa regra geral é nunca beber água não filtrada e usar o bom senso

Havia poucas dúvidas se eu precisava purificar a água desse reservatório em Planalto Coconino, no Arizona. (Andrew Skurka)

Por Andrew Skurka*

No mês passado, houve um saudável debate online sobre o verdadeiro risco de beber água de fontes que encontramos no meio do mato sem filtrá-las. Eu aprecio que Ethan Linck, do Slate, tenha levantado o assunto e concordo que muitas fontes são seguras para beber sem tratamento. Mas quando se trata de bons conselhos para seguir, é melhor ouvir Wes Siler e Christie Wilcox, que argumentam:

  1. É difícil ter certeza do risco de contaminação;
  2. Bactérias aquáticas podem ser desconfortáveis ​​(você pode imaginar os efeitos…);

Então, como regra geral, purifique-a.

Mas eu serei honesto: recomendo que você purifique a água que você encontrar em rios, riachos, lagos ou cachoeiras, mas eu mesmo geralmente não o faço. Isso porque normalmente eu ando fora da trilha e em locais de pouco movimento como nas Montanhas Rochosas do Colorado e em High Sierra – nas encostas do rio Colorado e San Joaquin – onde a qualidade da água tende a ser alta. Eu minimizo o risco ainda mais, sendo muito seletivo sobre as fontes exatas de que eu bebo. Quando eu mochilo em lugares secos, como o sul de Utah, ou em áreas de alto uso, como os Apalaches, as regras do jogo mudam.

Antes de beber a água não purificada, eu considero vários fatores. Minha decisão final não é baseada em um sistema de pontuação (por exemplo, “Três erros e você está fora”), mas sim uma avaliação holística de qualidade e risco. Se eu considerar o risco aceitável, vou em frente. Se o risco for muito alto, ignorarei a fonte ou a purificarei. O que me leva ao conhecimento instrucional deixado de fora do debate:

  • Como efetivamente purificar as fontes de água que estão no meio do mato;
  • Como avaliar a qualidade da água antes de ingeri-la;

Eu sou geralmente competente em explicar o “como fazer” em situações em que estou mochilando, então vou tentar preencher essa lacuna.

E antes de continuar lendo, por favor, note que eu não tenho nenhum treinamento acadêmico neste assunto, e minha abordagem é baseada inteiramente na experiência pessoal, bom senso e compreensão leiga de contaminantes. Até agora, funcionou muito bem para mim. Você tem que decidir por si mesmo se isso é o suficiente para você.

# 1. Qual é a distância até a fonte?

A qualidade da água será tipicamente melhor em sua origem, como quando brota do chão ou quando pinga de um campo de neve. Aqui, é menos provável que carregue patógenos nocivos como giardia ou E. coli, ou poluentes como metais pesados ​​ou pesticidas. Quando posso, subo a colina até o ponto de coleta mais alto possível – o poço superior ou pelo menos além do ponto “conveniente” que todo mundo está usando.

# 2. Quantos dejetos estão rio acima?

A maioria dos patógenos é transmitida pela via fecal-oral. Leia: o cocô é uma transportadora infectada que entra na água e, eventualmente, na sua garrafa de água. Então, se eu suspeito que existem animais – de cavalos, vacas até humanos – próximos a minha fonte de água, então eu purifico.

# 3. Qual o volume?

Nesse contexto, a solução para a poluição é realmente a diluição – uma fonte de água com baixa concentração de contaminantes apresenta baixo risco. Estou certo de que muitos dos riachos e lagos das Montanhas Rochosas do Colorado e High Sierra são positivos para patógenos. Mas as quantidades são tão baixas que eu teria que beber uma quantidade implausível de água (digamos 10 galões em 24 horas) até ingerir uma dose perigosa.

# 4. Está fluindo ou parada?

Você poderia pensar que uma fonte de água corrente seria melhor do que uma parada: a fonte fluente é constantemente liberada, enquanto uma fonte estagnada poderia ser um local de coleta unidirecional para contaminantes.

No entanto, fontes fluidas não são necessariamente melhores: elas podem carregar contaminantes de montante diretamente para a sua garrafa de água. É por isso que também vou beber água não purificada de lagos e poços, com uma ressalva: tomo água com um certa profundida, que recebem raios UV, um método comprovado de purificação.

# 5. É cristalina?

A água turva é um mau sinal. Os micróbios tendem a se enterrar em sedimentos, e a eficácia de alguns métodos de purificação (notadamente, produtos químicos e luz UV) é comprometida.

Água cheia de sedimentos que deixo passar a noite. Os tratamentos químicos e UV são menos eficazes em águas turvas. (Andrew Skurka)

# 6. O que parece, cheira e tem gosto?

Eu uso meus sentidos. Se vejo algas desagradáveis, purifico-as. Se sinto cheiro de merda de vaca, eu purifico. Se eu sentir o gosto de metais pesados, faço a filtragem caso tenha filtro que extrai metais pesados, caso contrário, não.

Isso é apenas senso comum.

Uma amostra de água no parque nacional de curvatura grande. Nós estávamos na fonte, mas as algas não me deram muita confiança em sua qualidade. (Andrew Skurka)

*Texto publicado originalmente na Outside norte-americana em 6 de março de 2018.

COMPARTILHAR