Segurando as pontas

A força braçal garante a segurança dos atletas nessa arriscada travessia de highline

CONFIANÇA: companheiros auxiliando na segurança da travessia da highliner norte americana Liz Thomas

Na prática do highline, é costume utilizar árvores, pedras e parafusos nas rochas para fixar a fita, conectando dois pontos através de um penhasco ou desfiladeiro. Recentemente, porém, foi criada uma variação que utiliza pessoas como âncora para que o atleta faça sua travessia. O esporte então vira um espetáculo de trabalho em equipe e habilidade, pois é necessário coordenar a força de muitas pessoas para manter a fita na tensão correta e o atleta em pleno equilíbrio.

Chamada de human-powered highline (highline movido à força humana, em tradução livre), a modalidade exige uma relação de grande confiança entre as pessoas envolvidas, que participam de uma situação extrema, em que todo o grupo fica exposto ao risco eminente de um acidente fatal.

No final do ano passado, o norte-americano Louie Wray e seus amigos bateram o recorde da mais longa highline movida à força humana já montada. Sustentado por seus colegas, Louie cruzou 76 metros no parque estadual de Smith Rock, no parque estadual do Oregon (EUA). Assista e tente não passar nervoso:

SHARE