As pesquisas sobre os riscos que as crianças enfrentam em altitudes elevadas são limitadas. O que significa que pais e guias precisam tomar algumas difíceis decisões

Por Bethany Garretson, da Outside USA

“Sorria”, disse o médico.

Metade do rosto de Henry Horvath se mexeu, mas o outro permaneceu paralisado. Um sinal vermelho. Paul Tirrell, médico de 33 anos, continuou a avaliar o menino de 13 anos. Horas antes, o adolescente foi parceiro de escalada de Tirrell, mas agora ele era seu paciente. O pai de Henry, Tim Horvath, o observava enquanto os ventos cortavam a barraca amarela da expedição a 5.486 metros na encosta virada para o norte do Aconcágua, na Argentina. Era fevereiro de 2019, e a equipe estava a dois dias de seu planejado ataque ao cume, o ponto mais alto da América do Sul, quando tudo mudou.

Os Horvaths são amigos de longa data da minha família e eu juntei-me a eles nesta expedição.

“Qual é o nome dela?” Tirrell disse, apontando para mim.

“Ga-ma, Ba-ra”, Henry tentava responder com dificuldade. Ele olhou para o saco de dormir e tentou de novo, sem sucesso, reproduzir mais uma porção de palavras. Eu coloquei minha mão nas costas de Henry. Ele sabia meu nome.

Tim sentou-se perto da entrada da barraca, segurando um rádio nas mãos. Seu rosto estava pálido, perdido em um olhar de mil metros. Um alpinista ativo na década de 1990 e início de 2000, com ascensões do Monte Everest, Denali e Kanchenjunga, Tim sabia que o perigo surgia em alta altitude. Em 1996, ele desceu o Lhotse durante a notória tempestade que matou oito no Everest, narrada por Into Thin Air, de Jon Krakauer.

Ele sabia dos riscos de trazer seu filho pequeno em uma expedição de alta montanha. Ele também conhecia as recompensas. Por isso escolheu o Aconcágua. Tim conhecia bem a montanha, tendo guiado três expedições anteriores aqui. O chamado Colosso da América do Sul fica a 6.962 m acima do nível do mar. Não é uma montanha altamente técnica, se você seguir a rota padrão, e os perigos até que são baixos. O maior desafio é a altitude. Embora Henry fosse um adolescente com um cérebro em desenvolvimento, não nos ocorreu que ele corresse maior risco de desenvolver doenças relacionadas à altitude.

levantando rippers
Tim Horvath e seu filho, Henry (Megan Irving)

“Feche os olhos”, disse Tirrell.

“Eu não consigo”, gaguejou Henry. Seus olhos castanhos se arregalaram, alarmados por ele não conseguir completar a tarefa. Mesmo descansando e se hidratando, a condição de Henry estava piorando.

“Eu estou chamando o helicóptero”, disse pai de Henry.

+ Por que os tibetanos não sofrem tanto com as altas altitudes?
+ Como treinar para altitudes elevadas

Tirrell procurou em seu kit de remédios e deu a Henry dois comprimidos, Diamox e dexametasona. O primeiro ajuda a aclimatar os alpinistas aumentando o pH do sangue e aumentando a ventilação do corpo, enquanto o segundo é um esteróide que reduz a inflamação e a pressão intracraniana. Se Henry estivesse passando por uma enxaqueca severa, derrame ou edema cerebral em altitudes elevadas, a medicina só poderia fazer isso a 5.400 metros. Foi difícil para Henry descer.

Al Mason, um líder de uma expedição do Exército Britânico que estava no pico e que sabia falara espanhol, ajudou Tim com seu telefonema para o acampamento-base. Enquanto isso, Henry lutou para se mexer e se vestir. Tim voltou para a barraca, inclinou-se e puxou o jovem Henry para uma posição em pé. Ele apoiou o filho no ombro e desceu em direção ao heliporto. O helicóptero sobrevoando se aproximou, mas não conseguiu pousar devido às más condições climáticas. A única opção era levar Henry a pé. Comecei a recolher as coisas dele. Tim, com a ajuda da equipe do exército, começou a ajudar lentamente Henry a descer o terreno íngreme e rochoso.

Seis horas e 1.600 metros de perda de elevação depois, Henry chegou ao acampamento base, onde recebeu oxigênio suplementar e outra dose de medicação. Ele podia falar e sua coordenação melhorou. Com os primeiros raios do amanhecer, o helicóptero retornou, levando Henry para um hospital em Mendoza, na Argentina. A notícia de seu resgate se espalhou rapidamente e os repórteres chegaram ao seu hotel depois recebeu alta do hospital. Após o breve momento de fama, veio uma longa discussão sobre crianças e adolescentes que escalaram o Aconcágua.

A idade da permissão para escalar o Aconcágua é 14. Então, por que Henry, que estava três meses antes de seu décimo quarto aniversário, conseguiu subir? Duas razões. Ele tinha quase quatorze anos e tinha um impressionante currículo de montanha: aos sete anos, ele havia completado uma viagem de 80 quilômetros pela Wind River, uma cordilheira dos Estados Unidos localizada no oeste do estado do Wyoming; aos 12 anos, ele escalou o Grand Teton, de 4.197 m de altitude; aos 13 anos, ele fez a trilha John Muir Trail, de 340 km, em 11 dias, e subindo o Monte Whitney no final. Ele também teve experiência de alta altitude, tendo escalado o vulcão Pichincha de 4.784 m do Equador.

Ainda assim, é fácil para o público em geral tirar conclusões precipitadas quando um menor de idade é resgatado em um dos Sete Cumes: ele era simplesmente jovem demais para estar lá.

Mas isso é uma suposição justa? Há algo sobre ser mais jovem que faz você fisicamente menos capaz de tolerar maiores altitudes?

+ Dicas para escalar o Aconcágua
+ Conheça a incrível história das Cholitas que escalaram o Aconcágua

Na era moderna do montanhismo, os tempos de subida estão ficando mais rápidos e os escaladores são mais jovens. Jordan Romero ganhou as manchetes em maio de 2010 quando, aos 13 anos, chegou ao cume do Everest. Então, em dezembro de 2011, com apenas 15 anos, ele completou os Sete Cumes, terminando com o Maciço Vinson de 14.892 m, na Antártida, naquele ano. O recorde para a mais jovem ascensão do Aconcágua pertence a um norte-americano, Tyler Armstrong, que chegou ao cume na véspera do Natal de 2013, quando tinha nove anos.

Apesar de Romero e Armstrong terem escalado o Aconcágua, juntamente com outras montanhas de alta altitude, sem problemas, alguns especialistas sugeriram que um cérebro e um corpo em desenvolvimento podem ser mais suscetíveis a doenças relacionadas à altitude.

“É uma questão que acontece muito”, disse o dr. Peter Hackett, diretor do Institute for Altitude Medicine, em Telluride, no Colorado. “As pessoas querem levar os filhos ao Acampamento Base do Everest ou ao Kilimanjaro, e ninguém sabe o que lhes dizer. O problema é que não há muita informação sobre crianças.”

Aí reside o desafio. Quando se trata de estudos científicos de altitude, um campo relativamente novo, há apenas um pequeno grupo de estudos de caso disponíveis.

Em 2001, Hackett e mais de uma dúzia de colegas divulgaram uma declaração de consenso sobre crianças em altitudes elevadas. Recomenda-se que as crianças sigam os mesmos princípios de aclimatização que os adultos: uma taxa lenta de subida na qual os alpinistas não chegam a mais de 300 metros por dia acima de 2.500 m, e um dia de descanso a cada mil metros de elevação.

Tim usou essa fórmula para planejar o itinerário de sua equipe no Aconcágua. Quando mais tarde perguntei-lhe se ele teria feito algo diferente, ele refletiu sobre o ritmo acima da média de sua equipe e disse: “Eu teria atrasado mais as pessoas”.

Quando surge um sintoma de doença da altitude, como dor de cabeça, náusea ou vômito, geralmente repouso, descida ou medicação podem corrigir a situação. Mas um alpinista tem que relatar seus sintomas imediatamente. Geralmente, as crianças com mais de oito anos atingem o nível de desenvolvimento necessário para comunicar sintomas de altitude-doença. E, em alguns casos, as crianças são ainda mais resistentes que os adultos. .

Mas mesmo que não exista uma correlação comprovada entre os jovens e um risco elevado de doenças de altitude, escalar altos picos trazem riscos inerentes para qualquer um. Isso deixa os pais e guias diante de uma grande questão: os riscos valem a recompensa para os jovens escaladores?

+ 9 livros clássicos de aventura e sobrevivência
+ Como fazer trilhas com sua família

Até Tim Horvath debate a questão.

“Em todos os sentidos, Henry estava pronto para fazer aquela montanha. Mas há algumas coisas que você não pode saber até que você suba”, diz ele. No Aconcágua, Tim sabia que a altitude era um risco, mas acreditava que poderia levar qualquer um dos membros de sua equipe para baixo da montanha, se necessário. “Poderia ter acontecido com qualquer um”, acrescentou.

Ainda assim, Tim não vai esquecer o pior momento, quando Henry não conseguiu fechar os olhos.

“Eu me lembro de pensar que se algo acontecesse com ele, iria arruinar o resto da minha vida”, disse ele. “Algo que eu gosto muito de fazer com meu filho poderia matá-lo.”

Três meses depois, a família estava em casa no centro de Nova York. Para os Horvaths, agora o Aconcágua era uma memória distante, porém dolorosa. Elizabeth Horvath, mãe de Henry, lembrou-se de quando recebeu a ligação.

“Meu coração doeu, congelei e sentei no chão”, disse. Ela ficou chocada, mas não com raiva. “Eu nunca pensei que uma criança de 13 anos não deveria estar na montanha”, disse ela.

O fato de Henry ter ido para montanhas desde muito jovem talvez seja uma grande razão para ele ser um garoto tão impressionante com um sólido senso de si mesmo. De volta com a sua turma do oitavo ano, ele estava indo para a escola de dança, fazendo provas e treinando para a temporada de esqui. Ele apenas assistiu The Dawn Wall e está ansioso fazer algumas vias de escalada.

Quando perguntado se ele retornaria ao Aconcágua, ele fez uma pausa.

“Eu gostaria.”

E eu voltaria com ele.