Viajar sozinho pode ser assustador. Mas confie em nós, a ideia é mais assustadora do que a realidade

Por Liz Carlson*

Como alguém há tantos anos desbrava o mundo sozinha e escreve sobre viajar sozinho, a minha missão é com certeza inspirar mais pessoas a fazerem o mesmo. Portanto, sou constantemente bombardeada com perguntas, ansiedades e dúvidas de novos viajantes preocupados em ir sozinhos. E se eles se perderem, adoecerem, ficarem presos ou algo pior? Certamente não ajuda quando os principais meios de comunicação, como o New York Times, se concentram no lado ruim das viagens com artigos intitulados “Adventurous. Alone. Attacked”.

Isso só dá força às nossas mães para justificar seus sermões de “por que você não pode simplesmente ficar em casa e ser seguro”. Como se ficar em casa fosse mais seguro que viajar, certo? E é natural estar nervoso antes de sua primeira viagem sozinho – e as coisas podem realmente dar errado. Mas isso não deve impedir ninguém de realizar as férias dos seus sonhos.

Na minha experiência, viajar sozinho não é apenas muito mais seguro do que você imagina, mas também é incrivelmente recompensador. Eu também descobri que a melhor maneira de combater o medo é com conhecimento. Com isso em mente, eu vasculhei meu cérebro e criei uma lista de seis coisas que todos deveriam saber antes de irem viajar sozinho.

Ignore todos os conselhos de quem não tem experiência no assunto

As pessoas gostam de plantar sementes de dúvida em sua mente quando você diz que está indo em uma aventura solo. Embora isso seja frustrante, acho que quase sempre vem de pessoas que não viajam. Por exemplo, antes de visitar a Turquia há alguns anos, todos me disseram que era perigoso e que eu era louca por ir para lá sozinha, especialmente como mulher. Mas quando eu questionei como era a experiência deles no país, eis que ninguém tinha realmente estado lá. Portanto, faça sua própria pesquisa e converse com os viajantes que realmente estiveram nos lugares que você quer ir. O Instagram e a internet estão cheios de pessoas como eu, que adoram compartilhar suas aventuras.

Esteja o mais preparado possível (mas seja flexível também)

Falando de conselhos, uma das dicas mais comuns que você vai encontrar é ter a mente aberta e flexível quando você viaja. Você pode planejar todos os detalhes, mas ainda assim você vai encarar algumas surpresas e erros. Isso é parte do que torna as viagens internacionais tão divertidas e transformadoras. Dito isto, há uma grande diferença entre ir no impulso para uma cidade como Paris, quando você está com um orçamento apertado e sem um lugar para ficar, pois todos os albergues estão lotados (como eu fiz na minha primeira viagem sozinha).

Fazer pesquisa e se preparar exige um longo trabalho. Faça uma lista dos lugares que você está planejando visitar, examine os riscos que esses locais podem apresentar e as formas de atenuá-los e verifique as dicas específicas para as áreas que você está planejando visitar. Hoje em dia, no mínimo, tenho meus vôos reservados com antecedência e minha primeira noite de hospedagem reservada, para que quando eu chegar, esteja garantido um lugar para ficar. Então eu costumo ter um esboço do que eu quero fazer durante a minha viagem e tocar o resto com sugestões que recebo no local. Afinal, algumas das melhores dicas e ideias não surgem até que você esteja viajando. Eu nunca teria visitado Matera, no sul da Itália, um dos lugares mais legais que eu já estive, se eu não tivesse conhecido algumas vovós em uma ilha na Grécia que adoram lá.

Compartilhe seu plano com os outros

Outro dica bem óbvia, eu sei, mas não importa onde você esteja viajando, é importante compartilhar seus planos, mesmo que que ainda não estejam confirmados, com alguém, e fazer check-in regularmente. Isto é essencial se você ficar fora de comunicação por um longo período de tempo. Muitas vezes saio caminhando sozinha por dias sem sinal, e sempre passou uma estimativa de horário de chegada para amigos que podem alertar as autoridades se eu não aparecer quando deveria. E mesmo que eu faça uma média de 100 voos por ano, minha mãe ainda tem todos os meus números de voo e os acompanha, e eu ligo para ela quando aterrisso. Eu também passo os detalhes do meu hotel para minha família para que eles saibam um esboço básico de onde eu estarei e quando estarei lá.

Siga a sua intuição

Eu não estou falando sobre esse estrondo em seu estômago depois de comer um kebab de rua questionável em Bangkok, embora se você leu o meu texto sobre o lado mais sombrio da viagem solo, você saberá ouvir esses sentimentos também. Eu estou falando sobre a intuição que diz, ‘Hmm, esta situação parece um pouco estranha’ ou ‘Essa pessoa está emitindo vibrações ruins’. Essa sensação deve guiar suas viagens solo. Não ignore isso. Confie em sua intuição e afaste-se do que quer que esteja causando isso. Quanto mais viagens você fizer, melhor você irá lidar com situações novas e desconhecidas.

Assuma riscos

Dito isto, não tenha medo de correr riscos. Algumas das melhores experiências que já tive ao viajar sozinha surgiu ao dizer sim às aventuras e oportunidades que eu poderia não ter feito de outra forma. Então, se a situação parece certa, não tenha medo de sair para jantar com pessoas que você acabou de conhecer ou espontaneamente participar de uma caminhada em algum lugar legal com outros mochileiros. Apenas diga a alguém o que você está fazendo primeiro, ok?

Será uma das melhores lições da sua vida

Viajar sozinho é uma das experiências mais gratificantes e especiais que você pode ter em sua vida. Não sei se já conheci alguém que se arrependeu. Viajar sozinho abre sua mente, amplia seus horizontes e ensina coisas sobre que você nunca conheceu, como ser forte, confiante e competente sem alguém para se apoiar. Apenas faça. Reserve a passagem e faça a viagem. Você não vai se arrepender, eu prometo.

*Texto publicado originalmente na Outside USA.