O segredo para a longevidade atlética é surpreendentemente simples

O livro 'Play On' explora como atletas de elite mais velhos permanecem no topo

O corredor Meb Keflezighi de 43 anos - Foto: Jonathan Moore/Stringer/Getty

Por Graham Averill*

Quando meu pai completou 40 anos, seus amigos lhe deram uma festa de aniversário com tema de funeral, com balões pretos e flores. Houve um tempo em que virar 40 parecia ter um pé no túmulo, particularmente se você fosse um atleta. Dependendo do esporte, os atletas normalmente atingem o pico antes dos 30. Aos 40, seus melhores dias em atividade devem estar bem atrás de você.

Hoje, atletas profissionais envelhecidos competem – e vencem – por décadas a mais do que antes. Ciclistas, nadadores, zagueiros e corredores estão progredindo por muito tempo após terem atingido seu pico atlético (ver: Tom Brady, 39 anos, durante sua última aparição no Super Bowl, ou o corredor Meb Keflezighi e a ciclista Catharine Pendrel, 41 e 35, respectivamente durante as Olimpíadas do Rio.)

Como essas superestrelas desafiam os limites bem estabelecidos da idade? E o atleta amador médio pode aprender alguma coisa com eles para continuar competindo em seus quarenta anos e além?

Essa é a premissa por trás de Play On, um livro que detalha a jornada de vários anos do jornalista Jeff Bercovici através do mundo dos esportes de elite para descobrir como esses atletas idosos permanecem no topo de seus jogos. Bercovici está bem preparado para cobrir o assunto: ele é o chefe da sucursal de São Francisco da Inc., onde cobre tecnologia e empreendedorismo. Ele também é um ávido jogador de futebol que se diverte correndo, escalando e pedalando. Como a maioria das pessoas que pegam seu livro, ele está apostando nos 40 e não quer desistir de ser um atleta competitivo.

“Não é uma questão de exceção”, escreve Bercovici na introdução. “Em praticamente todos os esportes, os atletas estão à espera de uma volta extra de vitória em vez de se ‘aprosentarem’.”

É um começo esperançoso, particularmente quando você considera que Bercovici passa as próximas páginas detalhando exatamente como nosso corpo se decompõe a medida que envelhecemos. A massa muscular diminui, a densidade óssea diminui, a capacidade pulmonar se deteriora. Até a sua freqüência cardíaca máxima diminui.

As boas notícias? Bercovici argumenta que a maioria desses declínios pode ser retardada ou mesmo revertida através de exercícios intensos regulares, e ele aponta para pesquisas mostrando que alguns atletas profissionais na verdade vivem mais em média do que o resto de nós. Por exemplo, os ciclistas do Tour de France têm uma vida útil média oito anos mais longa que a dos meros mortais. Estudos mostram que atletas de elite na faixa dos cinquenta e sessenta anos costumam ter uma “idade biológica” mais jovem, décadas mais cedo, determinada pelo quão bem seu corpo funciona.

Bercovici teoriza que atletas idosos de elite sabem algo que o restante de nós não usa e usam ferramentas que a maioria de nós ainda não ouviu falar, como fones de ouvido que estimulam o cérebro e que aumentam as habilidades motoras, ou testes de DNA para prever lesões. Um estudo citado no livro encontrou um atraso de 17 anos entre o pioneirismo de uma inovação médica e a introdução dessa inovação na população em geral. “Examinar o mundo dos atletas de elite é literalmente um vislumbre do futuro em que o resto de nós estará em breve”, escreve Bercovici. Ele encontra pesquisas estabelecidas e ciências ainda experimentais, cm um olhar de ceticismo e fascínio, mas geralmente retém o julgamento de cada prática até o final do livro.

Além de um mergulho profundo em testes genéticos (não há como escrever sobre seqüências de DNA que não causam narcolepsia em pessoas leigas). É uma leitura rápida e divertida que Bercovici pulou de clínicas antienvelhecimento para campos de treinamento de elite, para estúdios de jiu-jitsu em sua busca pela longevidade atlética.

Mas o livro não se concentra apenas na inovação de alta tecnologia. Por exemplo, a ferramenta usada pelo ex-jogador de futebol norte-americano Peyton Manning para prolongar sua carreira esportiva e vencer um último campeonato foi uma tática de equilíbrio de quatro por quatro. De fato, se há uma lição abrangente a ser aprendida através da busca de Bercovici, é que nenhuma inovação técnica, tendência de fitness ou superalimento pode deter a deterioração relacionada à idade. Esta revelação é provavelmente decepcionante para qualquer atleta mais velho que pegue o livro na esperança de que isso lhe dê uma vantagem sobre o Strava. De fato, durante a maior parte do Play On, Bercovici resiste a dar ao leitor qualquer conselho acionável. Não há prescrições ou planos de refeição. E vamos ser honestos, um “faça isso, não aquilo; coma isso, não coma aquilo” não resume os efeitos que teremos depois.

Em vez disso, Bercovici aborda nosso desejo por uma bala de prata em um capítulo chamado “Cuidado com o que você engole”, que analisa as práticas bizarras que alguns atletas fazem para permanecer no jogo um pouco mais. Os hábitos alimentares dos atletas são lidos como listas de superstições: um jogador de basquetebol profissional jura os benefícios para a saúde da imersão em vinho tinto quente; um linebacker da NFL não come nada além de feijão, e feijão por dias antes de grandes jogo.

Em vez de uma cura para todos, livro opera sob uma noção mais holística de que treinar mais enquanto treina de maneira mais inteligente é a chave para a longevidade nos esportes. Quando a FIFA batizou a jogadora de futebol Carli Lloyd, aos 33 anos, a melhor jogadora do mundo, ela fazia 400 flexões e 800 abdôminais por dia. Mas ela também treinou para correr mais devagar durante os jogos para economizar energia. Da mesma forma, você pode traçar o sucesso prolongado de atletas como o tenista Roger Federer ou o jogador de futebol americano Tom Brady de volta à sua ética de trabalho e disposição para se adaptar à medida que envelhecem.

Soa frustrante, certo? Isto é. Mas não se preocupe, se você está realmente procurando por alguns conselhos prescritivos, o epílogo oferece um punhado de teorias e práticas de ponta que o próprio Bercovici adotou após anos de pesquisa. E é uma coisa que você pode praticar em casa sem gastar US $ 20.000 em um tanque criogênico. Eu não vou estragar o conselho de Bercovici aqui (isso envolve comer mais gelatina), mas vou dizer que a recompensa vale a pena esperar. Basta lembrar que as últimas inovações de fitness não são nada sem uma base de treino duro.

Ainda não há versão traduzida do livro Play On de Jeff Bercovici.

Leia Mais: A importância de acompanhar a saúde do coração de esportistas
A ciência por trás do “ficar fora de forma”

*Texto publicado originalmente no site da Outside norte-americana.