Praias notoriamente lotadas, parques nacionais e outros locais turísticos agora estão vazios e tranquilos por causa de pandemia no novo coronavírus. Veja a diferença nessas fotos antes e depois do COVID-19.

Com quase três milhões de visitantes por ano, Bondi Beach, em Sydney, é conhecida por suas multidões. Centenas de pessoas compareceram a Bondi em 20 de março, uma semana depois que a Austrália proibiu aglomerações ao ar livre de mais de 500 pessoas. Diante da pandemia do COVID-19, o ministro da Saúde do país chamou a cena de “inaceitável”.

Foto: Jenny Evans / Getty

Em resposta, as autoridades australianas fecharam a praia no dia seguinte. A costa popular estava deserta em 22 de março.

+ Turistas são multados por furar quarentena em visitas à Pedra da Macela em Cunha, SP
+ Para voltar a viajar com pai idoso, ela fez o apelo: “fiquem em casa”

Foto: Tang Chhin Sothy / Getty
Em 16 de março de 2019, na província de Siem Reap, no Camboja, um grande número de pessoas explorou Angkor Wat, um dos locais sagrados mais populares do mundo. O templo hindu-budista recebe mais de dois milhões de turistas anualmente, cerca de um terço de todos os viajantes do país. Apesar das regras estritas sobre onde caminhar, o monumento sofreu danos fundamentais devido ao tráfego de visitantes.

Foto: Tang Chhin Sothy / Getty

Quase um ano depois, em 5 de março de 2020, Angkor Wat recebeu apenas alguns visitantes, pois as diretrizes de distanciamento social começaram a desencorajar as pessoas a viajar. Esta alta temporada (abril a maio) sofreu a menor visitação já registrada, apesar de permanecer em aberto. No final de fevereiro, o primeiro-ministro Hun Sen anunciou um incentivo fiscal de quatro meses para hotéis e outros tipos de acomodações em Siem Reap para ajudar a mitigar as perdas devastadoras. 


Foto: Chris Dillmann / AP

Vail Ski Resort do Colorado é um dos lugares mais populares para esquiar e praticar snowboard nos EUA, com mais de 1,5 milhão de visitantes por ano. O resort viu um dia de abertura bem movimentado em 15 de novembro de 2019, quando também estreou novas pistas.

Foto: Michael Ciaglo / AP

Uma pausa em um temporada curta de neve não foi apenas uma decepção para os esquiadores. As áreas de esqui nos EUA sofreram financeiramente quando, em 14 de março, a maioria fechou para inibir a propagação do COVID-19, perdendo o fluxo de turistas que viajavam para a primavera. 


Foto: George Rose / Getty

Com quase seis milhões de visitantes em 2019, o Grand Canyon no Arizona é o segundo parque nacional mais visitado dos Estados Unidos. Mather Point, que oferece uma vista espetacular da Margem Sul, atrai multidões de pessoas que disputam a chance de olhar para o desfiladeiro, como visto aqui em 11 de novembro.

Foto: Jake Bacon / AP

Uma família subiu o Bright Angel Trail no Parque Nacional do Grand Canyon em 27 de março, apenas alguns dias antes do fechamento oficial do parque em 1º de abril, depois que um funcionário testou positivo para o novo coronavírus. Apesar das pedidos urgentes para fechar temporariamente os parques, o Serviço Nacional de Parques não fechou todos os seus locais. 


Foto: Sonny Tumbelaka / Getty

A cerimônia de Melasti atraiu muitos para a praia de Kuta, em Bali, na Indonésia, em 28 de julho de 2019. Eles estavam lá para observar o ritual hindu, no qual o oceano lava as impurezas do corpo humano. Kuta é a principal cidade turística de Bali e costuma estar ocupada com turistas. 

Foto: Mark Kolbe / Getty

Mesas e cadeiras de praia estavam praticamente vazias, pois apenas alguns visitantes desfrutaram da praia de Kuta em 21 de março. Em 1º de abril, apenas quatro voos internacionais estavam operando no Aeroporto Internacional Ngurah Rai, uma queda de 95% em relação ao mesmo período do ano passado. A ABC News informou recentemente que, de acordo com a  Organização Nacional Indonésia de Passeios e Viagens, 80% dos residentes da ilha dependem do turismo para sua subsistência. 


Foto: Elisaveta Ivanova / iStock

Mais de dez milhões de pessoas visitam a Grande Muralha da China em Pequim a cada ano, o que a torna propensa a superlotação. Esta foto de abril de 2018 mostra o marco em um dia médio. 

Foto: Kevin Frayer / Getty

Em 24 de março, o governo chinês reabriu uma parte limitada da Grande Muralha depois de fechá-la para impedir a expansão do COVID-19. Mas o local permaneceu praticamente vazio em 27 de março.