Desastres climáticos mataram 2 milhões de pessoas em 50 anos, diz ONU

Por Redação

Desastres climáticos mataram 2 milhões de pessoas em 50 anos, diz ONU
Imagem: Sadiq Nafee/Unsplash

Um relatório divulgado pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), da ONU, informou que os desastres climáticos já mataram 2 milhões de pessoas nos últimos 50 anos. O número dos fenômenos, como inundações e ondas de calor, causados ​​pela mudança climática, aumentou cinco vezes nesse período.

+ Furacão Ida deixa ao menos 6 mortos nos EUA
+ Como as mudanças climáticas estão piorando as queimadas na Austrália
+ Nível do mar aumenta e bate recorde em 2020, aponta relatório

O custo dos desastres climáticos foi de 3,64 trilhões de dólares em perdas totais, de acordo com o relatório divulgado nesta quarta-feira (1º). A maioria das mortes, mais de 91%, aconteceram em países em desenvolvimento.

A OMM coletou dados de cerca de 11 mil desastres ocorridos entre 1979 e 2019. O evento mais fatal foi a seca de 1983 na Etiópia, com 300 mil mortes, e mais caro foi o furacão Katrina em 2005, com perdas de 163,61 bilhões de dólares.

O relatório mostrou uma tendência de aceleração, com sinais de que eventos climáticos extremos estão se tornando mais frequentes devido ao aquecimento global. A OMM atribuiu a frequência crescente tanto às mudanças climáticas quanto à melhoria dos relatórios de desastres.

“O número de fenômenos extremos está aumentando. Devido à mudança climática, estes serão mais frequentes e severos em muitas partes do mundo”, afirmou o secretário-geral da OMM, Petteri Taalas.

Apesar dos desastres climáticos terem se tornado mais frequentes, eles mataram menos pessoas da década de 1970 para 2010, indo de 50 mil para 18 mil.

Os números sugerem que um planejamento melhor está valendo a pena e a OMM espera que o relatório possa ser usado para ajudar governos a desenvolver políticas para proteger os seus cidadãos.

-Publicidade-