A voz de uma múmia foi ouvida pela primeira vez em mais de 3.000 anos. O som foi emitido graças a uma equipe de pesquisadores do Reino Unido que conseguiu reconstruir do trato vocal da múmia a partir de seus restos mumificados. Eles utilizaram uma combinação de tomografias computadorizadas, impressão 3D e uma laringe eletrônica.

O projeto começou 2013 e combina conhecimentos de ciências clínicas, arqueologia, egiptologia, curadoria de museus e engenharia elétrica. Até agora, o sistema pode produzir apenas um único som, uma vogal entre “a” e “e”. Os resultados foram publicados no Scientific Reports.

+ Mais de 20 sarcófagos praticamente intactos são encontrados no Egito
+ Nova descoberta pode resolver o mistério das pirâmides egípcias

A laringe e garganta são do corpo mumificado de Nesyamun, uma famosa múmia que fica no Museu da Cidade de Leeds, no Reino Unido. O Nesyamun foi um sacerdote egípcio que viveu durante o reinado do faraó Ramsés XI, entre 1099 e 1069 aC.

A tomografia computadorizada permitiu à equipe reconstruir seu trato vocal, que foi recriado usando uma impressora 3D. O trato vocal artificial agora pode produzir um som, um primeiro passo para tentar reconstruir a voz do antigo egípcio.

“O som que você ouve é o som do trato vocal na posição em que ele está deitado no sarcófago”, disse David Howard, um dos acadêmicos por trás do projeto.

Howard já reproduziu os tratos vocais das pessoas vivas, incluindo as suas, usando esse mesmo método e descobriu que os sons produzidos eram muito realistas. No entanto, é a primeira vez que a técnica é aplicada a restos humanos.

Como exatamente eles recriam a voz da múmia?

O trato vocal dos seres humanos é formado por uma passagem onde o som é filtrado. Esse som é produzido na laringe – o órgão comumente conhecido como caixa de voz – mas só o ouvimos depois que ele passa pelo trato vocal.

Para copiar o som produzido pelo trato vocal de Nesyamun, suas dimensões exatas foram refletidas na forma impressa em 3D.

Mas esse processo só é possível quando o tecido mole do trato vocal de um indivíduo está razoavelmente intacto. No caso de Nesyamun, o fato de seu corpo mumificado estar bem preservado tornou isso mais provável.

Após as digitalizações, um trato vocal impresso em 3D foi criado para Nesyamun, cuja “voz” era então gerada por um som artificial da laringe – um método comumente usado nos modernos sistemas de síntese de fala.

O próximo passo para os pesquisadores será usar modelos de computador para gerar palavras e uni-las para formar frases.

Ouça o som emitido pela múmia: