Quebrando o Cobra

Uma história de força e perseverança frente a um dos maiores desafios da escalada em fendas

Mason Earle subindo a via Cobra Crack (Fotos: Divulgação Eddie Bauer)

Mason Earle, 28, acaba de realizar um sonho antigo. O escalador norte-americano voltou recentemente a Squamish, na Columbia Britânica (Canadá), “um dos melhores picos de escalada de verão da América do Norte”, com o objetivo único de escalar a via Cobra Crack, “minha inimiga faz tempo”. E após anos de esforço, sua dedicação deu resultado.

Mason já tinha feito algumas tentativas de mandar a difícil via de escalada em fendas (em que os dedos das mãos e as próprias mãos são entaladas na rocha para possibilitar a subida). “É uma das vias em fendas mais lendárias do mundo, uma obra-prima”, opina ele. Mas era sempre derrotado pelo crux (o ponto considerado o mais difícil em uma escalada) da via.

O escalador Mason Earle após mandar uma via

Em 2011, Mason retornou à Cobra mais forte, com o intuito de conseguir completar o desafio antes de seu amigo, Alex Honnold. “Tentei novamente, acertei o movimento que estava me segurando, mas mesmo assim não consegui. O Alex veio e mandou a via, tranquilo”, conta Mason.

Mason continuou escalando em outros lugares pelo mundo, até sentir que era hora de voltar para Squamish. “Mandei uma via no Moab, a Stranger Than Fiction, e pensei que talvez ela fosse tão difícil quanto a Cobra”, lembra.

No retorno à Cobra, o sucesso finalmente veio. “Minha motivação mudou com o passar dos anos. Antes, pensava que voltaria para o acampamento como um rei após mandar a via. Mas quando consegui, foi uma coisa só para mim, a última coisa que me passou pela cabeça era contar para alguém”, diz.

No fim do mês passado, Alex Honnold parabenizou o amigo pelo feito, e ainda elogiou seu talento como carpinteiro “Foi o Mason que fez todo o interior da minha van“, contou.

O vídeo abaixo, publicado por uma marca patrocinadora de Mason, mostra sua luta com a Cobra. É em inglês, mas vale o esforço para ver de perto uma história sincera de amor ao esporte e resiliência frente a adversidade:

COMPARTILHAR