Por trás da bike

Apesar dos escândalos de dopagem, o ciclismo de estrada tem muito que nos ensinar sobre condicionamento físico

Peter Stetina, ciclista da equipe Trek-Segafredo, já participou duas vezes do Tour de France

Por Vernon Felton

Nos últimos anos, o ciclismo de estrada virou uma espécie de novela de mau gosto, onde os astros principais caíram, um a um, em meio a terríveis escândalos de doping. Mas não generalize: nós, atletas mundanos, podemos aprender muito com ciclistas que pedalam 3.520 km em 23 dias em intensidades que a maioria de nós teria dificuldades para acompanhar durante apenas dois quarteirões. Eis aqui algumas lições importantes:

 

> Evite a rotina

Andrew Talansky
Três participações no Tour, equipe Cannondale-Drapac

“As pessoas – inclusive os profissionais – passam muito tempo pedalando a um ritmo que não é exatamente fácil, mas que também não é difícil o suficiente para produzir resultados. Elas nunca se recuperam e nunca melhoram. Não fique preso no meio dessa armadilha. Nos dias de pedalada leve, pegue realmente leve – você tem que ser capaz de falar normalmente, sem ficar ofegante. Nos dias de treino forte, desafie a si mesmo. Junte-se a pedais em grupo cujo ritmo seja superior a seu nível de conforto e veja durante quanto tempo você consegue acompanhá-los. Tente bater seu recorde em uma subida longa dos arredores de casa. Faça competições com seus amigos para ver quem chega primeiro a alguma placa da estrada. Garanto que você ficará mais forte e se divertirá mais.”

 

> Vá à academia

Joe Dombrowski
Aspirante ao Tour, equipe Cannondale-Drapc

“Focar exclusivamente na resistência não é saudável. Grandes volumes desse tipo de treinamento ocasionam uma grande inibição hormonal. Equilibre a rotina passando um tempo na sala de musculação. Você melhorará a densidade de seus ossos e a força do tecido conjuntivo, o que ajudará a evitar lesões por uso excessivo e a manter o corpo inteiro quando você levar um tombo.”

 

> Coma de forma inteligente

Peter Stetina
Duas participações no Tour, equipe Trek-Segafredo

Peter Stetina, ciclista da equipe Trek-Segafredo, já participou duas vezes do Tour de France

“Seu sistema digestivo pode absorver cerca de 300 calorias por hora durante o exercício – aproximadamente uma barrinha energética e uma bebida esportiva. Coma ou beba qualquer coisa além disso, e você corre o risco de sobrecarregar o intestino. Dê preferência a comidas sólidas no começo; mude para gomas ou géis apenas nos últimos 90 minutos do treino ou competição. Géis são como turbo, e todo bom ciclista sabe que não se deve apertar esse botão muito cedo.”

 

> Aguente firme
Chris Carmichael, ex-profissional que participou do Tour com a equipe 7-Eleven

“Algo sempre dói. Os fabricantes de bicicletas e especialistas em treinamento convenceram as pessoas de que todos os desconfortos do ciclismo podem ser eliminados, mas momentos em que você se sente inteiramente bem quase não existem. Então descanse – isso é importante –, porém saiba que você não pode esperar até se sentir perfeito para voltar a subir no selim.”

 

COMPARTILHAR
  • Alexandre Destro

    show ! toda bike é legal, pedale, pedalando.