Mudança climática pode tornar avalanches mais perigosas

Estudo constata que áreas de alta altitude no Himalaia estão tendo avalanche mais freqüentes

Como as temperaturas aumentaram, uma área no Himalaia Ocidental tem visto mais e avalanches de maior alcance - Foto: fotoVoyager/iStock

Por Ula Chrobak*

Com o aquecimento do planeta os Himalaias, obviamente, não estão isentos. Um resultado dessas altas temperaturas pode ser o aumento do risco de avalanche, segundo um novo estudo publicado na semana passada.

Os pesquisadores se concentraram no Himalaia Ocidental, uma região que tem visto mais e mais deslizamentos nos últimos 50 anos. “Em muitas encostas do Himalaia, a neve não é um fator limitante, mas as temperaturas mais quentes estão afetando a estabilidade da neve”, diz Juan Antonio Ballesteros-Cánovas, principal autor e cientista do Instituto de Ciências Ambientais da Universidade de Genebra. Em outras palavras, o volume de neve permaneceu relativamente constante, apesar do aquecimento. É a mudança de temperatura do ar que causa um problema: à medida que os dias ficam mais quentes no início do ano, o pacote de neve se desestabiliza, levando a deslizamentos mais úmidos e frequentes no final do inverno e início da primavera.

Cientistas viram padrões semelhantes nas Montanhas Rochosas e nos Alpes Franceses. Ao mesmo tempo, a recreação nessas áreas cresceu, tornando mais pessoas vulneráveis ​​a condições alpinas inconstantes; nos EUA, as mortes por avalanche estão aumentando.

Em seu estudo, Ballesteros-Cánovas e sua equipe estavam interessados ​​em uma encosta voltada para o leste nos Himalaias do oeste da Índia, que paira sobre uma via principal que liga as terras baixas e as regiões montanhosas. Os cientistas queriam avaliar a ameaça de avalanches para a estrada e para um túnel proposto na área.

As avalanches são eventos complicados, muitas vezes espontâneos, afetados por vários fatores, como o tipo de neve, o clima e a forma e o ângulo da inclinação subjacente. Isso os torna difíceis de estudar. Mas, felizmente para os cientistas, avalanches deixam um registro em árvores, através de cicatrizes, troncos e troncos inclinados. Os cientistas analisaram 144 árvores na encosta, fazendo observações de danos e datando cicatrizes usando seus troncos. Usando esse processo, eles construíram uma história de avalanche com mais de 150 anos. “Ao fazer isso, temos certeza de que a freqüência e a extensão das avalanches de neve nas últimas décadas foram muito maiores do que antes”, diz Ballesteros-Cánovas.

Durante todo o período, a área teve uma média de 0,24 avalanches por ano. Mas, nas últimas décadas, a partir da década de 1970, a média chegou a 0,875 por ano. Uma área maior de árvores foi ferida em avalanches mais recentes, indicando que não apenas as avalanches estão se tornando mais freqüentes, mas também estão cobrindo mais terreno.

É intuitivo supor que à medida que as temperaturas sobem e as quedas de neve diminuem, as avalanches se tornarão menos comuns. Em vez disso, em áreas de alta altitude, o estudo sugere o contrário. Com temperaturas mais altas, a neve fica mais úmida e, portanto, solta-se livre da inclinação subjacente no início do ano – no momento em que também há um volume maior de neve. Além disso, as avalanches úmidas tendem a viajar mais do que as secas, devido à sua massa pura.

Alguns argumentam que os resultados do estudo, que foi principalmente confinado a um declive, são muito limitados para extrapolar. Como diz David McClung, professor de geografia na Universidade da Colúmbia Britânica: “A área de estudo de danos às árvores está no sopé, a uma grande distância dos altos picos do Himalaia”.

Ballesteros-Cánovas diz que há trabalho a ser feito antes que seja possível entender como os resultados se aplicam a outras áreas. Ainda assim, ele acha importante que os esquiadores e alpinistas estejam cientes desses resultados. “Temperaturas mais altas na primavera, depois de um bom inverno, podem ser perigosas”.

*Texto publicado originalmente na Outside norte-americana em 19 de março de 2018.

COMPARTILHAR