Montanhismo perde Liz Hawley, a maior historiadora dos Himalaias

Entrevista com Elizabeth Hawley no documentário "Keeper of the Mountains" - Divulgação

Elizabeth Hawley – ou, para os mais íntimos, apenas Liz Hawley — foi sem dúvida uma das maiores estudiosas do montanhismo nos Himalaias. Graças a ela, existe hoje um detalhadíssimo arquivo das expedições que aconteceram nos maiores picos do planeta nos últimos 60 anos. A jornalista e historiadora norte-americana de 94 anos, que morava no Nepal fazia décadas, faleceu na última quinta-feira (25).

Em 1960, “Miss Hawley” se mudou para o Nepal para ser correspondente. De lá narrou diversas expedições ao Monte Everest, mesmo sem nunca ter sequer pisado em seu acampamento base. Ela era vista como uma pessoa-chave para autenticar escaladas, mantendo registros meticulosos e verificação minuciosa sobre expedições de sucesso.

Hawley entrevistando alpinistas – Divulgação

Miss Hawley fundou o Banco de Dados do Himalaia, um arquivo completo com mais de 9.600 equipes de expedição. O “arquivo vivo” ou “Sherlock Holmes”, como era conhecida pelos alpinistas, realizou mais de 15.000 entrevistas, incluindo os montanhistas mais míticos do esporte.

A historiadora foi internada na semana passada no hospital CIWEC, em Katmandu, e morreu por complicações de uma pneumonia, segundo o boletim médico.

O documentário Keeper of the Mountains (A Guardiã das Montanhas), de Allison Otto, conta a história de Liz Hawley. Sua trajetória também foi publicada em um perfil na edição nº 73 da Go Outside.

Confira o trailer do documentário: