A evolução invisível da meditação

Por Redação

O grande efeito da meditação  no corpo (e na mente) pode ser resumido em uma palavra: “neuroplasticidade”. O termo pode assustar de início, mas é menos complexo do que parece.

Basicamente, as práticas formais ou informais de meditação, segundo estudos e pesquisas recentes, estimulam adaptações neurológicas, ou seja, mudanças benéficas no cérebro. Exames em atletas comprovam alterações no nível cerebral e o aumento no número de conexões, além de áreas específicas mais espessas, indicando maior atividade (veja mais ao lado).

Novas linhas de pesquisa estão apostando agora nos efeitos ligados aos telômeros, as estruturas que formam as extremidades dos nossos cromossomos. Há indícios de que a meditação previna os encurtamentos desses telômeros, um efeito capaz de retardar nosso envelhecimento biológico.

Hipocampo

O que acontece:

Maior atividade e crescente número de conexões neurológicas.

E daí? A atuação positiva na região está ligada diretamente a melhoras na memória.

Sistema Imunológico   

O que acontece: Atua no combate aos radicais livres.

E daí? Liberados durante o esforço, sobretudo em atividades mais desgastantes, os radicais livres aceleram processos de envelhecimento. A meditação protege esse quadro, combatendo infl amações sistêmicas e proporcionando um cenário mais equilibrado ao organismo.

Córtex pré-frontal 

O que acontece: Aumenta de tamanho.

E daí? Considerada uma “área nobre” do cérebro, está ligada às funções de execução da mente como a tomada de decisão. Conforme envelhecemos, ela tende a diminuir – situação inibida pela meditação

Amígdala

O que acontece: Diminui de tamanho.

E daí? Considerada nosso “cérebro primitivo”, a amígdala tem sua atuação suavizada, o que traz avanços tanto na reatividade como na passividade, sempre que uma ou outra for acionada   

Circulação sanguínea e circulação batimentos cardíacos 

O que acontece: Melhoras na pressão arterial e no ritmo respiratório.

E daí? Além das contribuições óbvias para as práticas esportivas, pode-se associar esses benefícios com mais qualidade no sono e na recuperação de forma geral.