Joia chilena

Pequena e afastada, a estação de esqui de Corralco, ao sul de Santiago, é uma ótima opção para se isolar na natureza e aprender a esquiar em pistas largas perfeitas para iniciantes

VELOCIDADE: Um esquiador tenta o snowkite, em uma área separada só para isso no resort de Corralco

Por Fernanda Beck*

SITUADA DENTRO da reserva nacional de Mallalcahuelo (apelidada de Mallalca pelos locais), a estação de ski de Corralco, ao sul de Santiago, no Chile, é um destino muito menos conhecido do que as famosas Valle Nevado e Farellones, maiores e mais próximas da capital. E é justamente aí que mora seu charme. Com apenas cinco lifts (os teleféricos que levam o visitante até o topo da montanha) e menos de 30 pistas, Corralco preserva um ambiente mais intimista do que o encontrado em estações mais famosas, tornando-se uma ótima opção para famílias que não fazem questão de badalação. Por essa razão, o lugar mantém uma atmosfera mais sossegada, e suas pistas não oferecem o “clássico” problema de excesso de esquiadores disputando lugar na neve – a temporada ali, a mais longa do Chile, vai de junho a outubro.

BELEZA BRANCA: Snowboarders escalam a montanha para explorar o terreno fora de pista (Todas as fotos: Divulgação Corralco Resort de Montanha)

O caminho de Santiago até Corralco é longo: primeiro, toma-se um voo de cerca de uma hora de duração até o aeroporto de Temuco, já na região da Araucanía, para depois ir de carro por mais duas horas até o destino final. Entretanto os momentos da road trip são repletos de uma paisagem única e exuberante, com árvores típicas dos bosques andinos, além de lindas montanhas de picos nevados. A chegada à reserva também é preciosa e se dá por uma estrada sinuosa que corta a floresta e possibilita a observação de muitos pássaros típicos e, com sorte, algum zorrito, a pequena raposa símbolo do lugar e que aparece constantemente nos arredores de Corralco. O vulcão Lonquimay, que teve sua última erupção em 1988, é a grande estrela e cume dos teleféricos de esqui.

Já na estação, é hora de escolher o esporte a se praticar. Com uma boa quantidade de terreno “fora de pista”, Corralco pode ser um prato cheio para quem já domina o esqui ou o snowboard e se sente confortável na neve sem nenhuma interferência humana. A falta de trechos com árvores acessados  por teleférico pode decepcionar quem se diverte fazendo curvas dentro da floresta, mas a imensidão vazia fora de pista compensa.

Desde o primeiro lift, o La Cornisa, já é possível chegar ao topo do snowpark e se aventurar pelos obstáculos apresentados. Corralco contratou recentemente novos encarregados para construir rampas e acomodar rails e palcos com precisão. “Precisamos nos modernizar para ficar a par com as outras estações”, diz o diretor de animação Alejandro Venegas. Para isso, Alejandro também investiu em um Pisten Bully 400, trator de neve de última geração com funcionalidades especialmente pensadas para a construção de bons parques de neve.

Mas é virando à direita, saindo do La Cornisa, que está um dos grandes diferenciais de Corralco: uma pista – a Liebre Este – para iniciantes, larga e longa (o caminho morro acima na La Cornisa leva mais de dez minutos). Com inclinação moderada, a pista é perfeita para quem ainda não domina o esporte e pode cair e levantar muitas vezes antes de ter que embarcar no lift novamente. Quem está no começo de sua paixão com a neve também tem a vantagem de poder alugar os equipamentos novos e modernos do resort. O empreendimento oferece também algumas roupas de neve para aluguel, o que é especialmente conveniente para brasileiros sem indumentária adequada – é recomendável reservar, pois são poucas as peças disponíveis.

O ambiente interno do Corralco Resort de Montanha, marcado por suas grandes janelas e muita madeira

Atrelado à estação de esqui fica o irresistível hotel do Corralco Resort de Montanha, para onde é possível voltar esquiando ou andando de snow depois de um dia nas pistas – uma comodidade conhecida como ski-in. Com arquitetura despretensiosa e espaçosa, o hotel alia o simples ao luxuoso, integrando o prédio à natureza local. Com muita madeira em seu interior, o estabelecimento possui imensas janelas, que recebem a luz natural e brindam o hóspede com a espetacular vista externa de pics nevados, uma marca característica que permeia todos os ambientes – do lobby ao restaurante, da piscina à pequena academia. Com sofisticação rústica, o restaurante do hotel prepara pratos caprichados, e pisco sours saem no capricho – o Chile disputa com o Peru a origem do famoso coquetel. Isolado em um lugar remoto, o Corralco Resort de Montanha usa a criatividade para desenvolver opções de lazer aos hóspedes depois que as pistas fecham. Piscinas de hidromassagem internas e externas, noites de karaokê, uma pequena biblioteca, massagens e sessões de alongamento são algumas das alternativas para se manter entretido após gastar as energias na neve.

O Corralco Resort de Montanha

Apesar das comodidades indoor, é mesmo na natureza que estão as opções mais interessantes, como os passeios pelo entorno do hotel. Em trekkings guiados feitos com as chamadas raquetes de neve (calçados especiais que se prendem aos sapatos para aumentar a superfície de contato com o chão e evitar afundamentos), dá para passear tranquilamente pela superfície branca. O principal destino é o passeio da Araucária Milenar, acessível por uma caminhada curta de cerca de 20 minutos. Símbolo nacional, a araucária é abundante em toda a reserva de Mallalcahuello, e seu exemplar milenar é um espécime querido entre os locais. Mais adiante, segue-se permeando um riacho até a pequena lagoa Pehuenco, passando por um largo corredor outrora formado pelo escoamento de lava vulcânica – além do Lonquimay, há muitos outros vulcões na região, vários deles ainda ativos.

Quem prefere não descansar na área do hotel pode procurar entretenimento na pequena cidade de Curacautin (conhecida apenas como “Cura” pelos locais), a alguns quilômetros da reserva. O pequeno povoado conta com algumas opções de lojas e restaurantes, bem como serviços de aluguel de equipamento de esportes de neve por um preço mais camarada. Com paisagem andina, a região encanta pela natureza e pelo charme e simpatia de seus habitantes. Mais uma vez, a natureza é a grande estrela: a maior atração de Cura são as piscinas de águas termais, com entradas espalhadas ao longo da estrada principal da cidade. As termas Cañondel Blanco, visitadas pela reportagem da Go Outside, contam com diferentes piscinas rudimentares de concreto e madeira a céu aberto, com águas de propriedades terapêuticas graças à composição química, com altos índices de sulfatos, cloretos, cálcio e magnésio. A atmosfera rústica, porém confortável, dá o tom à toda a propriedade, que oferece também passeios a cavalo. Para aplacar a fome (e a sede), há um restaurante imperdível, o El Fogon. Se por fora a construção de madeira não impressiona, por dentro o ambiente campesino é encantador. Com chão de terra batida e peles de animais adornando (e aquecendo) os bancos, o El Fogon prepara refeições com preço fixo estilo “PF” para os visitantes. A comida é feita em panelas suspensas sobre uma fogueira dentro da própria cabana.

Quem não fica hospedado no luxuoso hotel Corralco pode optar por um esquema mais simples e alugar cabanas de madeira próximas à entrada da reserva de Mallalcahuelo. Seja qual for sua escolha, a beleza branca e o silêncio apaixonante da neve e da natureza de Mallalca vão conquistar seu coração – e, provavelmente, te levar de volta a esse tesouro quase escondido na neve chilena.

 

* A jornalista Fernanda Beck viajou para o Chile a convite da The Global Nomads e do Corralco Resort de Montanha.

 

COMPARTILHAR