Está sobrecarregado e superconectado? Não se preocupe, nós estamos aqui para te ajudar a fazer um detox digital

Por Marc Peruzzi*

Você se lembra do Bug do Milênio, também conhecido como Y2K (de “Year 2000”, ou “Ano 2000”? O maior medo daquela época era um apocalipse tecnológico. Isso não aconteceu, mas é inegável como as tecnologias aumentaram os fluxos de informação e como em alguns momentos nos sentimos afogados em meio às telas de celular e computadores. Sem dar sermão, aqui estão 10 maneiras de desconectar e fazer um verdadeiro detox digital.

# 1: Cheire um livro

Ei, leitores de iPad: Você lembra como um livro cheira? Especialmente um livro antigo que todos da sua família leram algumas vezes? Aos 11 anos, li a trilogia O Senhor dos Anéis, mais O Hobbit e, em verdade, até O Silmarillion pelo menos quatro vezes. Chame-me de estranho, mas às vezes eu andava, pegava um dos livros de bolso esfarrapados e sem capa e cheirava.

Não vou tentar descrever o aroma – é muito pessoal – mas me fez sentir bem. Os livros são táteis e sensoriais. Como a luz de velas, elas são íntimas e calmantes. E um livro não vai arrancar seus dentes quando você adormecer lendo um – se conseguir dormir depois de ler em um iPad. Especialistas dizem que a luz que o seu iPad ou telefone emite está aumentando com a sua melatonina. Não é assim com livros.

# 2: Desative o despertador do smartphone

Um dos únicos recursos inteligentes que eu realmente uso no meu telefone é o despertador. Isso é uma armadilha. Despertadores vão ao lado da cama, então o seu telefone vai ao lado da cama. Minha última atualização de software faz um flash de luz azul claro (Facebook), branco (texto) ou verde (e-mail) toda vez que uma mensagem chega. O que é isso? Alguém me marcou? Oh, é um leitor irado me chamando de idiota às 11 da noite.

Agora estou com raiva, estressado, irritado ou distraído, e talvez pior, estou olhando para uma luz branca brilhante (mais sobre isso depois). Recentemente, mudei meu telefone de alarme para a cozinha e substituí-lo por um grande relógio de parede ao lado da minha cama. É como um relógio escolar e de alguma forma me faz lembrar do meu falecido avô – e dos batimentos cardíacos dos meus cachorros adormecidos. Estudos descobriram que nossa constante conectividade afeta nossa saúde mental e o uso freqüente de celulares pode levar à insônia.

# 3: Fale mais e digite menos

Contratamos e treinamos alguns estagiários no meu escritório todos os anos. Partes importantes do trabalho envolvem a verificação de fatos, a conexão com fontes e a solicitação de equipamento de foto-filmagem. Invariavelmente, um estagiário – um estudante de jornalismo, lembre-se – vai entrar na minha sala e explicar, desesperadamente, que uma fonte não voltou para eles. “Você ligou?” Eu pergunto. “Uh, não”, eles respondem, abalados pelo pensamento.

Tem sido relatado que a geração atualmente no ensino médio envia mais de 1.300 mensagens de texto por mês, e elas são sete vezes mais propensas a texto do que fazer ligações. E-mail e texto são ferramentas maravilhosas, mas funcionam melhor no lugar de vocalizações guturais como “entendi” e “a caminho”. Mensagens de texto enquanto você dirige pode gerar uma acusação de homicídio negligente. Um e-mail mal redigido pode fazer com que você seja demitido. Nuances facilmente articuladas, como alegria, sarcasmo, fraqueza ou a quantidade certa de desprazer não passam para a comunicação digital datilografada às pressas. Atenda o telefone. A menos que você esteja dirigindo. Nesse caso, cale a boca.

# 4: Guarde a câmera

Estudos recentes mostraram que fotografar não é o mesmo que observar e refletir sobre o mundo. É chamado de “efeito de impedimento de fotografar” e, embora você possa sentir que está documentando uma existência maravilhosa, na maioria das vezes você está operando uma câmera colorida e não está prestando atenção.

Isso significa que, a menos que você esteja enquadrando cuidadosamente o assunto e observando a luz e a composição da imagem iminente, você não está realmente absorvendo a experiência em sua memória. Como Sócrates certa vez escreveu em um adesivo de parede ateniense descontroladamente popular (bombou em Esparta), “A vida não examinada não vale a pena ser vivida”. Recital de dança da sua filha. Esquiar com seu filho. Mountain bike com os amigos. Guarde o seu celular com câmera e esteja lá. Sócrates não tirou selfies.

# 5: Fique no escuro

Eu entrevistei um especialista em distúrbios do sono há alguns anos atrás. Para a forma mais comum de insônia, seu conselho era simples e estúpido. Não tome café depois das 3:00 da tarde e tire sua televisão, laptop, tablet e smartphone do seu quarto. Parece ciência hippie, mas os efeitos são reais. Encarar uma caixa luminosa tarde da noite engana o corpo e faz pensar que é de manhã. O efeito é tão poderoso que pode deixá-lo com fome de café da manhã, e é por isso que tem sido associado à obesidade. A menos que sua insônia esteja complicada, provavelmente é bom ler um livro feito de papel por uma luz fraca. Caso contrário, o quarto é para dormir e relaxar. 

# 6: Escreva à mão

Como arte e aula de ginástica, a caligrafia foi largamente descartada pelo nosso sistema educacional – não que os adultos escrevam à mão hoje em dia. É uma perda maior do que pensamos. Uma série de estudos mostrou o que intuitivamente sabíamos o tempo todo. Como criar arte, o ato de escrever ilumina o cérebro de maneiras que a digitação decididamente não faz. Tem havido até conjecturas de que o próprio ato de escrever cursivo pode instilar “especialização funcional” (foco, controle), nos ajudar a compor nossos pensamentos e até mesmo tratar a dislexia. Não vamos parar de digitar tão cedo, mas talvez fazer um diário de férias e um bloco de anotações para uma reunião possa ser uma moda.

# 7: Desative as notificações

Com exceção das atualizações reversas do 911, desative todas as notificações do seu telefone. Sim, incluindo o Facebook. E ajuste as configurações do seu computador. Você realmente precisa do pequeno pop-up e acompanhamento quando chega um e-mail? A mensagem instantânea já beneficiou você? Eles parecem insignificantes quando isolados, mas distrações sistêmicas são um grande problema. Existe até um campo de pesquisa dedicado a isso chamado de “ciência da interrupção”. Para os humanos, não importa que tipo de trabalho você faça, a verdadeira criatividade ou mesmo apenas o foco no trabalho ocorre em breves explosões. O magistral romancista Gabriel Garcia Marquez disse uma vez ao Paris Review que, na melhor das hipóteses, ele poderia escrever um parágrafo digno em um dia de trabalho de seis horas – e na maioria das vezes ele rasgaria essas linhas na manhã seguinte.

# 8: Desconecte os dados

Eu uso um brilhante relógio GPS no meio do mato. Minha mountain bike está equipada com um computador com tela sensível ao toque que me informa minha localização, rota, velocidade, frequência cardíaca e cadência de pedalada. Meus amigos de ciclismo de estrada, ligados ao Strava, falam a estranha linguagem dos medidores de energia. Para eles, andar não é sobre quilometragem, mas potência.

Eu aprecio meus equipamentos outdoor: o relógio uma vez me salvou de uma noite vagando em busca da minha barraca. O computador de bicicleta me permite medir o meu esforço para que eu não exploda antes da subida final. Os medidores de energia eliminaram a adivinhação dos regimes de treinamento. Mas às vezes confiamos demais na tecnologia. Um mapa ou mesmo apenas uma olhada em volta me diz que se eu seguir o riacho, eu vou chegar na lagoa. E há momentos em que você deve ouvir o seu corpo em vez do seu medidor de energia.

“Os atletas às vezes precisam se separar da análise de dados”, diz Jason Hilimire, diretor de treinamento da FasCat Coaching em Boulder, no Colorado. “Como treinadores, podemos identificá-lo em seus comentários escritos. ‘Estou cansado. Estou com fome. Não consigo dormir’. Eles são cozidos de treinamento ou de seus empregos ou de sua vida familiar. Dizemos a eles que se desliguem e andem sem metas prescritas. Acerte o recomeço mental. Divirta-se.”

# 9: Esqueça as redes sociais

A menos que seja para notificá-lo que seu cachorro de 27 anos morreu, ninguém entra no Facebook e diz ao mundo sobre suas quedas. O Facebook e o Instagram tem a ver com regozijo e fingimento, não com as duras realidades da vida que os amigos de verdade ajudam. A exibição é especialmente predominante nos tipos ao ar livre – e sou tão culpável quanto qualquer um. A vida de ninguém é perfeita. Um pequeno estudo sugeriu que quanto mais participantes interagiam com o Facebook, mais infelizes se tornavam. Às vezes, quando me sinto alienado da sociedade e nauseado por estar, o Facebook me faz sentir muito pior. Para aqueles dias, o que precisamos é de um site de mídia social composto por existencialistas franceses rabugentos, gauloises fumantes. “Nós nos recusamos a gostar do seu post”, eles diriam. “No máximo, vamos reconhecer que por trás do véu da sua presença pública, você também sofre.”

# 10: Compartilhe a música

Certa vez, meu filho de 12 anos disse que não ouvia tanta música quanto seus colegas que passam seus dias isolados em suas trilhas sonoras particulares. Ele parecia quase desanimado. A música faz parte da nossa vida familiar, mas os fones de ouvido e a música portátil não são. No carro ou em casa, ouvimos música juntos. Nós compartilhamos música, assim como eu fiz com meus pais e amigos adolescentes.

*Texto publicado originalmente na Outside USA.