Está estressado? Estes dispositivos podem te ajudar a relaxar

Garmin e Apple estão na onda recente de empresas que entraram no mercado de controle de estresse

Garmin e Apple estão na onda recente de empresas que entraram no mercado de controle de estresse

Por Christine Yu*

No ano passado, Jonathan Levitt manteve o controle de seu estresse diário com a ajuda de um smartwatch Garmin Forerunner 935. Com base no que ele aprendeu ao rastrear seus dados, Levitt agora deliberadamente programa o tempo de inatividade em seu dia. “Eu uso para entender quando eu deveria adicionar momentos mais descansados ​​e para definir meus dias de descanso”, diz ele. (Levitt, um corredor amador, também opera as alegres contas do Twitter e do Instagram @restdaybrags com as atletas Amelia Boone e Caroline Burckle). Quando se sente deprimido, em vez de correr direto para a academia do trabalho, ele fica sentado em seu sofá por 20 minutos primeiro. Como resultado, ele se sente mais forte e resiliente, mesmo quando aumenta o volume e a intensidade do treinamento. Ele também afirma que ele está dormindo melhor.

A Garmin está entre uma onda recente de empresas que entraram no mercado de wearables de estresse. Os novos dispositivos vão além do rastreamento de atividades para monitorar a resposta ao estresse do corpo – usando marcadores como frequência respiratória, temperatura da pele e variabilidade da frequência cardíaca – e alertam os usuários quando a tensão aumenta acima do normal. Um zumbido ou bipe funciona como um empurrão sutil: que tal uma pausa ou uma respiração profunda? O objetivo é conter seu instinto de luta ou fuga. Em teoria, isso deve causar um curto-circuito no estresse agudo e evitar o estresse crônico, que está ligado a uma série de condições de saúde que incluem doenças cardíacas e diabetes.

“É um momento emocionante para essa área de biofeedback – há muito potencial para a tecnologia”, diz John Torous, co-diretor do programa de psiquiatria digital do Beth Israel Deaconess Medical Center, em Boston. “As pessoas sempre estarão estressadas e querem soluções acessíveis e fáceis de acessar.”

O interesse em ferramentas para o bem-estar mental está crescendo junto com as crescentes taxas de estresse. De acordo com o American Institute of Stress, quase 50% das pessoas dizem que precisam de ajuda para aprender a administrar a tensão. Os capitalistas de risco investiram mais de US$ 200 milhões em aplicativos de saúde mental até hoje, segundo a Crunchbase. Startups de som sereno como Feel, Spire e WellBe surgiram, enquanto marcas estabelecidas como Apple e Fitbit introduziram recursos de rastreamento de estresse em seus wearables. A maioria dos gadgets custa entre US$ 100 e US$ 250.

A ciência por trás dos novos produtos está enraizada em abordagens baseadas em mindfulness para redução do estresse e regulação respiratória. Spire’s Stone, por exemplo, que se fixa em um cós ou sutiã, classifica os padrões respiratórios como focados, tensos, calmos ou neutros, dependendo da frequência e variabilidade. Se a sua respiração é rápida mas irregular (“tensa”), o Spire’s Stone sinaliza que é hora de relaxar. Jiten Chhabra, pesquisadora de tecnologia em saúde da Georgia Tech, diz que há uma conexão entre a área do cérebro responsável pela respiração e o nervo vago, o principal agente do sistema nervoso parassimpático. E, ao contrário do ritmo cardíaco, você pode conscientemente controlar a respiração, mesmo quando está focado no trabalho. “Isso significa que as pessoas podem usar o feedback de uma forma que não as force a parar o que estão fazendo ou a ir a um quarto silencioso”, diz Neema Moraveji, co-fundador e cientista-chefe da Spire.

Algumas pesquisas preliminares confirmam isso. Um estudo de 2016 na revista BMC Complementary and Alternative Medicine descobriu que a regulação da respiração reduz os níveis de certos biomarcadores pró-inflamatórios. Outros estudos mostraram que a respiração profunda diminui o estresse fisiológico induzido pelo exercício. E as descobertas iniciais da pesquisa de 2017 da Spire e da Stanford University descobriram que as pessoas que usavam o Stone relataram menos estresse percebido, menos sintomas de estresse agudo e 27% menos dias de ansiedade em comparação com um grupo de controle.

Mas, de certa forma, o hype ficou à frente da ciência. Por exemplo, enquanto há provas de que a variabilidade da frequência cardíaca é um bom indicador do estado de recuperação do corpo, é muito cedo para saber se o repouso ou o treinamento devem ser prescritos com base nessas informações. Os rastreadores de saúde não foram avaliados através de rigorosos estudos randomizados especificamente focados na redução do estresse, embora alguns ensaios clínicos e estudos de maior escala estejam em andamento. A pesquisa que existe é principalmente financiada pela indústria ou pela empresa, o que pode ter distorcido as descobertas.

Outra questão: não há uma maneira fácil de determinar com precisão quando a resposta ao estresse do corpo é ideal para a tarefa em questão, diz Esther Sternberg, diretora de pesquisa do Centro de Medicina Integrativa da Universidade do Arizona. Por exemplo, um rastreador pode sinalizar qualquer pico na freqüência cardíaca ou respiração, mas essa informação é apresentada em um vácuo. Um atleta empolgado por uma corrida pode apresentar estresse fisiológico, mas, nesse caso, é essencial para o desempenho máximo. Sternberg e seus colegas estão trabalhando para identificar os padrões moleculares no suor específico para vários cenários de estresse. “Esperamos que, com essa pesquisa, tenhamos medidas mais precisas para saber quando é necessário dar um chute na resposta de relaxamento”, diz ela.

Por enquanto, os pesquisadores alertam contra o uso de dispositivos de controle do estresse para autodiagnosticar ou como tratamento para problemas de saúde mental ou física. “Se você é geralmente saudável e o usa para promover o bem-estar, vá em frente”, diz Chhabra. “Mas se você utilizar esses dispositivos como um primeiro passo antes de ver um profissional, você deve procurar o médico ou terapeuta, porque a tecnologia ainda não existe”.

Não compartilhe

Os dados dos rastreadores de condicionamento físico não estão sujeitos às leis federais de privacidade de cuidados com a saúde, como a HIPAA. “É como postar seus dados pessoais no Facebook ou no Twitter”, diz John Torous, do Beth Israel Deaconess Medical Center. Considere estas questões para entender as compensações que você está fazendo para gerenciar sua saúde.

Quais informações são rastreadas? Aplicativos de estresse provavelmente não precisam de acesso ao seu microfone, contatos ou local para orientá-lo em exercícios de respiração profunda. Mas você pode ter concedido essas permissões apenas se inscrevendo. Antes de mergulhar, desative o compartilhamento desnecessário nas configurações do seu telefone.

Quem pode ver isso? Leia os termos de serviço para entender como suas informações são usadas. Você pode editar ou excluir suas próprias estatísticas? A política declara explicitamente que seus dados não serão compartilhados ou vendidos? Se não, você pode querer evitar.

Você consegue acessar seus dados? Até mesmo as informações que você deseja compartilhar podem ser separadas devido a preocupações com a privacidade, interesses comerciais ou barreiras técnicas. Verifique se um aplicativo permite que você baixe uma cópia de suas informações e verifique se as informações são compatíveis com outros programas que você usa.

*Texto publicado originalmente na Outside USA.