Devo treinar quando estou doente?

Saiba quando o exercício pode ou não te fazer bem

Primeiro, siga os sintomas - Foto: sestovic/iStock

Como saber quando está tudo bem e continuar treinando e quando é melhor ir com calma

Por Abigail Barronian*

Os atletas treinam para passar por sinais de desconforto e fadiga. Esse tipo de coragem é o que os ajudam a ter vantagens contra os concorrentes. Mas também é o que torna tão difícil convencer os atletas de que eles podem ficar ainda melhores tirando um dia ou dois de descanso quando estão doentes.

Quando você se sentir doente, o exercício pode ser exatamente o que você precisa – uma corrida rápida ajuda a descongestionar os seios paranasais ou a devolver um pouco de energia para o seu corpo. Mas também pode pior a situação. Nós consultamos Kimberly Harmon, a médica chefe de futebol da Universidade de Washington e professora de ortopedia, medicina familiar e esportiva, sobre como diferenciar.

Primeiro, siga os sintomas. “Se eles estiverem abaixo do pescoço, pode ser uma boa ideia pular um treino. Considerando que, se você tem sintomas de sinusite ou coriza, que são basicamente acima do pescoço, então geralmente é bom exercitasse com eles”, diz Harmon.

Procure por febre. “Se você tiver febre acima de 38,3°C, não é uma boa ideia continuar a se exercitar. Provavelmente será prejudicial e não benéfico”, explica Harmon. Se você não tem um termômetro à mão, alguns sinais comuns de febre incluem calafrios, sudorese, fraqueza geral e dor de cabeça.

Finalmente, determine se você tem alguma dor muscular. “Isso indica que qualquer vírus que você tem está nos músculos, então usá-los não é útil – na verdade, pode ser perigoso”, diz Harmon. Não é incomum que um vírus como a gripe ou o resfriado ocorra em seu corpo, causando inflamação e dor nos principais músculos, incluindo possivelmente o coração. O exercício através desses sintomas coloca em risco essas áreas comprometidas.

“Muitas vezes seu corpo vai te dizer”, diz Harmon. “O que eu costumo dizer às pessoas é que, se elas se exercitarem e isso simplesmente acabar com elas, elas não estão prontas para voltar. Eles precisam recuar. Eu uso uma regra da manhã seguinte: se você se sentir bem durante o treino, provavelmente está tudo bem. Mas se você se sentir pior do que quando você começou na manhã seguinte, o que você fez foi demais e você não está pronto para voltar.”

E, claro, todo caso é diferente. Embora essas diretrizes sejam úteis, atletas com doenças pré-existentes, como asma, diabetes ou anemia falciforme, devem ter um cuidado especial ao se exercitar por conta da doença.

De acordo com Harmon, os atletas são difíceis de convencer a ter calma. Ela costuma prescrever descanso para pessoas de alta performance que, de outra forma, não descansariam, confiando na lógica sonora quando alguém precisa de um pouco mais de persuasão.

“Os atletas, por natureza, são treinados para superar a dor e o desconforto. Você tem que reformular o problema, porque os atletas estão realmente dispostos a se sentir desconfortáveis em nome de alcançar seus objetivos”, diz Harmon. “Os atletas só têm que perceber que, muitas vezes, dar-se uma pausa vai ser melhor para eles a longo prazo do que tentar passar por isso.”

Leia Mais: A ciência por trás do “ficar fora de forma”
Como lidar melhor com a dor