Descoberta uma “mega colônia” de pinguins na Antártica

A descoberta fortalece a proteção das águas ao redor da Península Antártica.

As imagens aéreas revelaram uma enorme colônia pingüins Adélie nas Ilhas Dangers - Foto: Thomas Sayre-McCord / WHOI / MIT

Por Redação

A espécie pinguim-de-adélia tem diminuído nos últimos 40 anos. No entanto, hoje foi publicado na revista Scientific Reports, a descoberta de uma colônia, até agora desconhecida, com mais de 1.500.000 pinguins-de-adélia, nas Ilhas Danger, na ponta Norte da Península da Antártica.

As ilhas eram conhecidas por ter pinguins, mas a quantidade era um mistério. Até que imagens de satélite e uma pesquisa no terreno revelaram os imensos tamanhos das colônias. As novas contagens incluem a terceira e quarta maiores colônias de pingüins Adélie no mundo. No total, eles aumentaram a quantidade conhecida de pinguins da região em quase 70%.

Os resultados estão ajudando a informar os planos para a conservação das águas da Antártica, alguns dos quais viram declínios alarmantes de pinguins Adélie. Eles também destacam como os pesquisadores podem combinar dados pessoais e por satélite como nunca antes.

Foto: Rachael Herman, Louisiana State University, © Stony Brook University

As Ilhas Danger são muito remotas e estão rodeadas por um mar perigoso. Mesmo no Verão austral, o oceano em seu redor está cheio de gelo espesso, o que dificulta o acesso.

Em 2014, dois dos autores do estudo, Heather  Lynch, pesquisadora da Universidade Stony Brook, e Mathew Schwaller, da NASA (Agência Espacial Norte-Americana), identificaram vestígios de pinguins nas imagens de satélite das ilhas. Para descobrir mais, Lynch juntou-se a Stephanie Jenouvrier, uma ecologista de aves marinhas do Woods Hole Oceanographic Institution (WHOI), a Mike Polito (Louisiana State University) e a Tom Hart (Universidade de Oxford) numa expedição às Ilhas para contabilizar as aves no terreno em dezembro de 2015.

Após a descoberta quantitativa de pinguins, os cientistas agora querem compreender o que contribui para o alto número de populações nas Ilhas Danger. A pesquisa ajuda também no projeto para a criação de novas Áreas Marinhas Protegidas perto da Península da Antártica.