Mesmo se você não possui um cachorro! (Sim, isso é possível.)

Por Jayme Moye*

Se existe alguém especialista em cachorros de aventura, essa pessoa é Rachael Rodgers. Moradora de Canmore, Alberta, ela se oferece para levar cães que estão em abrigos para as montanhas para brincar. Ela já ofereceu diversão para dezenas de diferentes tipos de cães e que na maioria das vezes ela acabara de conhecer.

Toda raça de cão é um cão de aventura”, diz Rachael. “O truque é combinar o tipo de aventura com a personalidade do cachorro.”

Rachael publica fotos de seus passeios no Instagram, @trailsandbears e informações sobre adoção. Ela teve a ideia em 2017, depois que sua foto de caiaque com Denali, sua cachorra regstada há 13 anos, se tornou viral. Os seguidores explodiram para 20 mil amantes de cães.

“É uma maneira de obter publicidade mais positiva para os cães adotáveis”, diz Rachael.

Em menos de um ano, Rodgers ajudou 30 cães a encontrar suas casas permanentes. E aprendeu uma tonelada de ifnormações ao longo do caminho. Aqui estão algumas de suas melhores práticas sobre como levar qualquer tipo de cão (incluindo cães de abrigo locais) para a natureza.

Escolha a aventura certa

A atividade ao ar livre favorita de Rachael, com ou sem cães, é caiaque. Mas ela reconhece que alguns de seus companheiros caninos podem preferir um piquenique em um vale de montanha, então ela permanece flexível. Rachael começa avaliando o humor e o nível de energia do cão naquele dia. “Se eu me ajoelhar na frente do cachorro e ele me lamber e sorrir, é um bom sinal que o cachorro está calmo o suficiente para algo como caiaque”, diz Rodgers.

“Se o cachorro está pulando em cima de mim sem parar, eu o levo em uma caminhada”. Em geral, quanto mais indisciplinado é o cachorro, mais íngreme é a caminhada. Um cão mais velho ou que não esteja em boa forma física, pode fazer uma pequena caminhada até um local de piquenique.

Para cães que parecem estar preparados para andar de caiaque, Rachael faz um teste em terra firme, deixando o cão dar uma olhada no barco e entrar e sair. Além disso, ela também presta especial atenção a como o cão está se sentindo durante o passeio de carro até o lago. Um cão que pareça enjoado também é propenso a enjoar em uma canoa ou caiaque.

Seu cão pode se sair bem no carro enquanto estiver em ruas planas da cidade, mas isso não significa muito. Estradas sinuosas he darão uma melhor aproximação para saber se o seu cão está propenso a enjôo.

E boas notícias para novos donos de cães: Rachael tenta não fazer suposições de atividade baseadas na raça do cachorro. Ela aprendeu que as aparências enganam. “No inverno passado, levei um husky para fazer esqui cross-country comigo [skijoring] porque achei que ele adoraria puxar”, diz ela. “Mas ele acabou por só querer trotar ao longo do meu lado.”

Previnsa-se

Seja qual for a atividade ao ar livre que Rachael escolhe, ela sempre tem um plano B. Dependendo de como o cachorro está reagindo, até um plano C. Isso significa que ela normalmente traz uma variedade de equipamentos para esportes outdoor. Rachael sempre traz uma coleira padrão de 2 metros, dois litros de água apenas para o cachorro e uma tigela.

“Se um cão está nervoso e ofegante, isso é duplamente desidratante”, diz Rachael. Porque ela mora no Canadá, ela também traz spray anti urso. Rachael carrega guloseimas e usa roupas específicas para cães que podem ficar sujas ou rasgadas.

Mesmo que o seu cão não seja um saltador ou um arranhão em casa, ele pode se comportar de maneira diferente ao ar livre. Então não é uma má ideia usar calças e blusas com manga longa para salvar sua pele.

Para esportes aquáticos, Rachael traz um dispositivo de flutuação para cães, e no inverno, ela sempre tem um casaco à mão para o cachorro. Toda aventura inclui um almoço de piquenique de um sanduíche de peru e queijo ou uma manteiga de amendoim e croissant de geleia. Para cães sem problemas alimentares, ela inclui um para o cachorro também. “Os cães adoram sanduíches”, diz Rodgers. “É algo especial que cria uma associação positiva com a vida selvagem.”

Tire fotos melhores

Rachael usa uma câmera SLR com uma lente grande angular, o que ela diz que não é ótimo para retratos humanos, mas funciona muito bem para destacar as nuances dos recursos faciais caninos. Alguns cães temem a lente grande, nesse caso, a Rachael tem uma câmera compacta menos invasiva. Cães assustados nunca fotografam bem. “Não se incline sobre o cachorro”, diz Rodgers. “Em vez disso, agache-se e chame ele ou ela em um tom não ameaçador.”

Para os cães motivados por alimentos, ela usará guloseimas para reforçar uma experiência positiva com a câmera. Rachael quase nunca usa o visor para não quebrar o contato visual. “Eu não quero desaparecer da conversa com o cachorro”, diz ela. “Todos nós temos amigos que fazem isso com seus telefones, então sabemos que isso se torna tedioso rapidamente”.

[when does the picnic start?] #wearehereforthepicnic

A post shared by Rachael Rodgers (@trailsandbears) on

Voluntário

Rachael ficou surpresa ao descobrir, através de comentários e perguntas em seu feed no Instagram, como poucas pessoas sabem que os abrigos têm programas para que os voluntários levem os cães em caminhadas ou aventuras. Você vai precisar ligar para o abrigo primeiro e receber as oreintações para voluntariado. E lembre-se de postar fotos do seu passeio. Isso ajuda nos esforços de adoção, mesmo que você não tenha 20.000 seguidores no Instagram.

*Texto publicado originalmente na Outside USA