Dicas de Laird Hamilton, o maior waterman de todos os tempos, para você prevenir lesões

Por Laird Hamilton*

Já lidei com um monte de lesões durante minha carreira como surfista e remador de stand-up paddle, incluindo seis fraturas de tornozelo e um rompimento do ligamento anterior cruzado. Três anos atrás, fiz uma cirurgia de prótese de quadril. Quando você passa décadas no oceano, está fadado a ter maus momentos, sofrer acidentes, e o mesmo vale para qualquer atleta que leve seu esporte a sério. Então comecei a investir em resiliência. Agora tudo o que faço – o que como, quantas horas durmo e como treino – é pensado para me proteger, para evitar que eu me machuque. A seguir, minhas dicas essenciais para você construir um corpo e uma mente capazes de aguentar o tranco.

+ 7 sinais de que você está a caminho de uma lesão
+ 4 alimentos que ajudam na recuperação de lesões

Treine com inteligência

A probabilidade de se lesionar devido a forças externas existe em todo lugar – então não colabore com ela treinando de forma inadequada. Quando estou fazendo movimentos altamente repetitivos, uso a criatividade e compenso com movimentos antagônicos para evitar uma sobrecarga excessiva (por exemplo, complemente seu treino de abdômen com exercícios para fortalecer a região lombar). Quando estou treinando para uma corrida longa, não saio para rodar uma tonelada de quilômetros. Opto por distâncias mais curtas com desafios específicos: correr na areia ou com um colete com pesos, por exemplo.

Alivie a carga

Nos treinos de força, deixe seu ego fora da equação. Se pegar um peso gigante e começar a fazer agachamentos, poderá machucar as costas em um piscar de olhos. Por outro lado, terá que fazer centenas de agachamentos com a técnica incorreta utilizando apenas o peso do corpo para se lesionar. Em vez de aumentar 5 kg, diminua 5 kg e faça cinco repetições a mais. Lembre-se: treine suas fraquezas, não suas forças.

Foque na flexibilidade

Uma grande parte de proteger a si mesmo envolve desenvolver sua amplitude de movimento. Trabalhe para melhorar a mobilidade onde você se sente encurtado. Cada corpo é único, então sua rotina de alongamento provavelmente será diferente da de outras pessoas. Eu faço yoga uma ou duas vezes por semana, mas também ocupo meu tempo com outras atividades que trazem flexibilidade naturalmente – como nadar e surfar.

Volte à ativa

Depois da cirurgia de prótese do quadril, voltei a treinar (com cautela) assim que me senti capaz. Em duas semanas, estava saltando na piscina, ficando de pé na prancha de surf e remando de stand-up paddle. Usei meu corpo como guia para sentir quando estava pressionando demais o quadril e fui cauteloso quando me aproximava dessa linha de desconforto. A única forma de aprender que tipo de dor é sinal de que você deve recuar e qual você pode aguentar sem perigo é experimentando.

Chacoalhe as coisas

Se você precisar dar uma parada, não tem necessariamente que fazer menos coisas, pode simplesmente ajustar sua rotina. Se está acostumado a um determinado volume de treino, direcione-o para atividades que você não faz normalmente – e que ficam em lugares inferiores na sua lista de prioridades quando você está 100%. Dedique mais tempo à alimentação, hidratação e técnicas de recuperação como massagem, acupuntura e fisioterapia.

Aproveite o poder da mente

Depois de lidar com tantas lesões, aprendi a superar o impacto psicológico. É claro que a dúvida bate: será que conseguirei surfar novamente? Meu cérebro lança todas essas perguntas em cima de mim. Mas sei como lidar, já passei por isso antes. Mesmo que você saia de uma lesão com metade da amplitude de movimento e metade da força que tinha antes, o poder da mente sobre a matéria é poderoso. Se você tiver confiança e paciência, pode fazer seu corpo voltar a ser como era antes – ou ainda melhor.

* O norte-americano Laird Hamilton, 55, é surfista, criador do surf estilo tow-in (puxado por jet-ski), praticante de diversos esportes aquáticos, como stand-up paddle, e treinador.