A sabedoria dos campeões de corrida de 100 anos

Recordistas e centenários sabem como manter viva a chama do esporte

São raros os planos de treinamento projetados para um corredor de 100 anos, então Orville Rogers e Julia Hawkins tiveram que descobrir as coisas por conta própria. (USATF)

Por Amanda Loudin*

Tornar-se uma sensação do YouTube nunca esteve na lista dos centenários Orville Rogers (100 anos) e Julia Hawkins (102 anos). Mas quando os dois corredores saíram da linha de largada para estabelecer novos recordes mundiais no USATF Masters Indoor Championships no início deste mês, foi exatamente isso que aconteceu. Seus vídeos de corrida renderam mais de 1 milhão de visualizações.

O fama é merecida. Rogers quebrou cinco recordes mundiais e cinco recordes americanos, em distâncias de 60 a 1.500 metros. Hawkins, em sua corrida de 60 metros, marcou 24,79 segundos, boa para os recordes americanos e mundiais em sua faixa etária.

Orville Rogers quando estabeleceu um novo recorde de faixa etária nos 60 metros masculinos do USATF:

Julia Hawkins na corrida da USATF:

Ambos os corredores levam seu treinamento a sério, mas também levam vidas independentes e completas. Rogers pode ser encontrado dirigindo seu Camaro vermelho, com uma placa que diz “Beth 10”, em homenagem a sua falecida esposa. Hawkins ainda mora na casa de Baton Rouge que compartilhou com seu falecido marido de 70 anos e mantém uma vida social ativa.

Os dois corredores encontraram o esporte mais tarde na vida. Rogers começou a correr aos 50 anos, depois de pegar uma cópia do clássico livro de Kenneth Cooper, Aerobics. No dia seguinte ao término do livro, Rogers saiu para sua primeira corrida. Por sugestão de seus filhos, Hawkins começou a correr ainda mais tarde, aos 100 anos.

Esta dupla leva a dedicação a um novo nível. Portanto, pedimos conselhos sobre como manter um relacionamento longo e saudável com a corrida.

Mantenha simples

Raro é o plano de treinamento projetado para um corredor de 100 anos, então Rogers e Hawkins tiveram que resolver as coisas por conta própria. Direto e simples é a regra, ambos dizem. “Eu vou às pistas decorrida três vezes por semana para correr e levantar pesos por até duas horas”, diz Rogers. “Eu corro devagar para manter minha resistência e, em seguida, adiciono alguns intervalos de 100 metros para trabalhar na velocidade.”

Hawkins é uma ciclista de longa data e, quando decidiu dar uma volta há dois anos, começou a praticar marcando as várias distâncias de corrida que corria com bandeiras ao longo da estrada. “Eu não faço muito treino de corrida dedicado, porque acho que se você não tem a minha idade, você não precisa disso”, diz Hawkins. “Mas eu continuo ativa – pedalando e andando com meus amigos na vizinhança.”

Faça do sono uma prioridade

A rotina regular de Hawkins inclui uma soneca diária de até uma hora. “Eu saio para almoçar todos os dias e continuo com uma soneca”, diz ela. “Então estou descansada e relaxada e pronta para o resto do meu dia.”

Rogers nem sempre cochila, mas ele está comprometido com um total de oito horas de sono todas as noites. “Eu sempre digo que vou para a cama antes da meia noite e me levanto com o sol”, explica ele. É um hábito que remonta à sua infância passada em uma fazenda.

Coma sensatamente

Como todos os atletas dedicados, Hawkins e Rogers entendem o valor da boa nutrição. Hawkins come “sensatamente com moderação”, uma dieta que inclui café e beignets (um doce derivado do éclair).

Rogers garante que grande parte de sua dieta é baseada em vegetais e é um fã de frutas e vegetais em tons escuros. “Aprendi a comer bem desde o início”, diz ele, “e acredito que produtos altamente pigmentados fornecerão os antioxidantes de que você precisa.”

Formar um pelotão

Rogers leva uma equipe animada de 30 pessoas para as competições, todos gritando, segurando cartazes e vestindo camisetas estampadas com seu nome. “Minha família energizou a multidão e eu tive toda a seção de espectadores me animando”, diz ele. “Foi emocionante.”

Embora Hawkins não tenha uma grande comitiva, ela sempre tem pelo menos um de seus quatro filhos para o passeio. No encontro nacional, um vizinho mais jovem também foi para dar apoio. “Toda a ideia para eu começar a correr veio de meus filhos”, diz Hawkins. “Eles pagaram a taxa da minha primeira corrida e foram me encorajar. Eles acharam que eu estava pronta para algo novo.”

Desenvolva outras paixões

Enquanto esses centenários se destacam na corrida, cada um lhe dirá que é importante ter hobbies fora do esporte. Entre seus muitos interesses, Hawkins é uma ávida leitora, escritora e jardineira. Rogers também é um leitor e aprendiz de longa data, e publicou a história de sua vida como veterano, piloto, missionário e corredor em The Running Man: Flying High for the Glory of God.

Ame o que você faz 

Enquanto alguns corredores são motivados por competição ou por colegas, tanto para Rogers quanto Hawkins, é tudo sobre o amor ao esporte. “Eu sei que eu poderia cair e me machucar, mas isso poderia acontecer com qualquer coisa que eu fizer na minha idade, então eu acho que vale a pena”, diz Hawkins. “Eu simplesmente amo sentir que estou voando e ouvir o ar assobiando em meus ouvidos.”

*Texto publicado orginalmente na Outside norte-americana.