Los Hermanos

Dicas quentíssimas para você aproveitar a temporada de inverno sul-americana

Você não precisa ir tão longe para aproveitar uns dias de férias na neve. Nossos vizinhos no Chile e na Argentina oferecem condições perfeitas para todos os gostos – não importa se você é pró ou jamais pisou numa prancha de snowboard ou num par de esquis. Conversamos com vários especialistas no assunto e selecionamos oito dicas quentíssimas para você curtir a temporada de inverno sul-americana (MARIO MELE)

1. LA NIÑA, NOSSA RAINHA
O La Niña, um fenômeno oceânico-atmosférico caracterizado pelo esfriamento das águas do Pacífico, promete dar seus últimos suspiros nos próximos meses. “Há um ano ela vem causando uma redução das médias de temperatura”, diz Mozar Salvador, meteorologista do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Esta foi uma das mais intensas Niñas das últimas duas décadas, e isso significa que, em regiões onde neva, a tendência é um aumento na frequência das precipitações. Ou seja: muita neve, e das boas. Mas se programe: como a temporada de 2010 foi um sucesso para as estações de esqui, você pode esbarrar no velho problema da superlotação se deixar tudo para a última hora.

2. QUANTO MAIOR, MELHOR
Se você já esquia bem, então talvez seja a hora de tentar uns drops mais altos. Eis aqui alguns points para quem quer dá uma de Shaun White:

> Las Leñas, Argentina:
Ao todo, Las Leñas tem 29 pistas espalhadas por 17.500 hectares de superfície esquiável. Poucas impõem tanto respeito quanto Martes. “É uma pista inclinadíssima e com muita pedra exposta”, conta Felipe Motta, snowboarder pentacampeão brasileiro. “Ela fica aberta apenas alguns dias durante a temporada e costuma ser procurada pelos melhores atletas do mundo.” Em Las Leñas há também opções de expedições extremas, em neve virgem, orientadas por guias locais. laslenas.com

> Valle Nevado, Chile:
Distante 40 quilômetros de Santiago, essa tradicional estação chilena é a maior do Hemisfério Sul e já existe há mais de 20 anos. Conta com uma área de esqui de 9 mil hectares, onde se encontra a pista Santa Teresa, uma das mais difíceis do continente. Além de barrancos expostos, o risco de avalanches é grande. Para quem é mais faixa-preta, a snowboarder brasileira Isabel Clark também sugere a inclinada descida da Múmia. vallenevado.com

> Chillán, Chile:
Localizada a 400 quilômetros de Santiago e 1.650 metros acima do nível do mar, Chillán costuma ter 10 mil hectares por ano em condições perfeitas para a prática de esqui e snowboard. Vá com as pernas fortes: lá, a pista Três Marias não é propriamente a mais difícil, mas, de fato, é a mais longa da América do Sul, com 13 quilômetros de descida. termaschillan.cl

3. NUNCA É TARDE PARA APRENDER
Acha que é tarde demais para ensaiar os primeiros passos no esqui ou no snow? Acabe já com o preconceito e se matricule em uma das muitas aulas práticas oferecidas em quase todas as estações dos dois países.

> Aulas quase particulares no Valle Nevado, Chile:
Grupos entre três a cinco pessoas podem contratar um professor de esqui ou snowboard e customizar as aulas de acordo com o perfil dos alunos, com enfoque maior em manobras, freeride, freestyle e até competição. chileanski.com

> Esqui, snow e história em Portillo, Chile:
Aprenda com quem tem história no esqui. Robin Barnes, a diretora da Ski Portillo, tem mais de 20 anos de experiência como professora e treinadora. Não importa se você está querendo começar no esqui ou snowboard ou evoluir para um estilo mais ousado de manobras. Certamente um dos 35 instrutores, oriundos de dez países, estará apto a te ajudar. skiportillo.com

> Esporte bonito na Villa la Angostura, Argentina:
O centro de esqui de Cerro Bayo, instituído na década de 1970, possui 16 pistas sinalizadas. O diferencial aqui é ter a chance de aprender numa região extraordinariamente linda, com bosques rodeando o lago Nahuel Huapi. villalaangostura.com.ar

> Criançada em Chapelco, Argentina:
A 2h30 de avião de Buenos Aires ou a 20 minutos de San Martin de Los Andes, Chapelco tem a paisagem mais verde entre as estações de esqui. É um bom lugar para uma criança dar os primeiros passos nos esportes de inverno. A escola Jardim de Neve é especializada em ensinar a meninada entre 3 e 5 anos. Mas é possível encontrar aulas para adolescentes e adultos. interpatagonia.com

4. O BARATO DO HELISKI
> “Alguém de nível intermediário, que domina bem as curvas, já está apto a experimentar o heliski ou helisnowboard”, garante o snowboarder Felipe Mottta. A modalidade consiste em subir num helicóptero para chegar ao cume de uma montanha, bem longe das pistas lotadas de amadores. Aí é só desembarcar e descer morro abaixo. Valle Nevado, no Chile, pode ser um bom início. Lá você chega de helicóptero a 4.500 metros, altitude maior que a maioria das estações da região. Cada descida custa cerca de US$ 200. É possível ainda incluir o heliski no momento de montar o pacote, com direito a algum desconto. vallenevado.com

> Plano B: Se o heliski ainda te intimida, comece subindo a montanha de snowcat, aquele veículo tipo um tanque especialmente projetado para andar na neve fofa. Las Leñas é uma boa pedida. A subida é considerável e a descida, rápida: em cerca de 5 minutos você estará no pé da montanha novamente. Essa diversão é mais em conta: cada sessão de snowcat gira em torno de US$ 50. A Andes Ski tem pacotes para você passar o dia curtindo a brincadeira. andesskitours.com

5. DIVERSÃO NUNCA É DEMAIS
> Em agosto do ano passado, a estação de esqui de Pucón, no sul do Chile, sediou seu primeiro Festival de Neve, com exposições de artesanato, degustações de vinhos, exibição de filmes e competições. Há até saídas para conquistar o vulcão Villarica. Este ano, a segunda edição já está marcada e acontece entre os dias 11 e 14 de agosto. festivaldelanieve.cl

>Em abril, durante a pré-temporada de neve, Ushuaia, na Argentina, apresenta o festival de música clássica mais austral do mundo (festivaldeushuaia.com). Mas é em agosto que esse lugar aos pés dos Andes exibe o Festival Internacional de Cinema de Montanha, uma mostra de filmes clássicos e atuais do gênero. shhfestival.com

6. FUJA DO CROWD
Neve menos batida você vai encontrar em La Parva, que está a somente 45 quilômetros de Santiago. É o lugar perfeito para quem procura tranquilidade. Além de as pistas serem de altíssimo nível, há opções de hospedagens em chalés mais sofisticados. No verão, mountain bikers e trekkeiros não ficam na mão. laparva.cl

7. ECONOMIZAR É UMA BOA
>Achados da Internet:
O site liftopia.com tem acordo com seis resorts de esqui no Chile (incluindo Termas de Chillán e Valle Nevado) e cinco na Argentina (incluindo Cerro Bayo, Chapelco). A ideia do Liftopia é fazer valer a lei da oferta e da procura. Ou seja, nos dias vazios você pode economizar até 85% nos pacotes. O importante é fugir das férias escolares de julho.

> Acerte nos aplicativos: o Kayak HD e o Priceline Hotel Negotiator (para iPhone) são excelentes guias turísticos. Eles ajudam a encontrar hotéis de acordo com preço, localidade e época adequada. Ainda há comentários e sugestões de usuários que já passaram pelos mesmos lugares.

> Vai em grupo? A opção mais barata é alugar uma casa. O Vacation Rentals by Owner (vrbo.com) tem várias opções de casas e chalés próximos a algumas estações de esqui argentinas e chilenas.

8. QUEM LEVA?
> Snow Travel: quase 20 anos de conhecimento no ramo de viagens de esqui e snowboard. snowtravel.com.br

> Maktour: Pacotes de esqui e snowboard na América do Sul, Europa e Estados Unidos. maktour.com.br

> Interpoint: apesar de hoje ter expandido seu roteiro para outras modalidades, os esportes de neve são seu forte. Oferece pacotes para o Chile, Argentina, Estados Unidos, Canadá e Europa. interpoint.com.br

> Ski Brasil: atua nas maiores estações de esqui da América do Sul e do mundo. skibrasil.com.br

> Snowtime: o serviço especializado oferecido pela agência leva em conta desde a localização e a distância das pistas até a locação de equipamentos. Crianças e esquiadores de primeira viagem têm tratamento diferenciado. snowtime.com.br