Trio de ferro

Às vésperas do Ironman Havaí, falamos com os três brasileiros prós que estão na disputa


NADE QUEM PUDER: Largada do Ironman Havaí, há uns anos (Foto: Mt. Capra)


Por Bruno Romano, da revista Go Outside

Como se já não bastasse a encrenca de nadar 3.8 km, pedalar mais 180 km e ainda correr outros 42 km em uma tacada só, o anual Ironman do Havaí reúne condições amedrontadoras. A temperatura da prova deste ano, marcada para o próximo sábado na Big Island havaiana, pode atingir 37ºC. Some a isso os fortes ventos que costumam torturar os atletas na etapa de ciclismo e, claro, a insana disputa pelo título mundial da modalidade.

Neste seleto grupo dos melhores triatletas de Ironman da atualidade, três brasileiros sonham em fazer história, nesta que é a prova que, em 1978, deu origem ao triathlon de longa distância. O catarinense Igor Amorelli vai para seu terceiro Mundial de Ironman, enquanto o paranaense Guilherme Manocchio e a gaúcha Ariane Monticeli fazem suas estreias entre os profissionais no Havaí.

O Brasil também terá 95 triatletas amadores, a maior marca da nossa história. A “invasão brasileira” deixa o país em sexto lugar (das 62 nações representadas) em números de competidores. Outra boa notícia é a possibilidade de acompanhar essa disputa ao vivo, via site oficial (ironman.com), a partir das 13h30 do sábado, no horário de Brasília.

Enquanto a hora da largada não chega, desvendamos o que está passando na cabeça dos nossos triatletas de elite, pouco tempo antes da prova de suas vidas.

>> Igor Amorelli

Campeão do Ironman Brasil Florianópolis 2014 e dono do melhor tempo brasileiro da história no Mundial de Ironman (8h34min59s, em 2013)


(Foto: Fabio Piva/Red Bull Content Pool)

“Estamos falando da principal prova do mundo no triathlon, em que todos sonham em competir. Fico muito feliz só de estar aqui mais uma vez e, independente de qualquer coisa, quero terminar isso de forma feliz.

Estou descansado e com a cabeça muito boa. Agora é só continuar bem focado. O treinamento foi bem parecido com o de Floripa, mudando poucas coisas, somente em relação ao percurso e às características da prova aqui no Havaí.

Minha meta é fazer a minha prova para conquistar o melhor resultado possível – sempre confiando muito no potencial que eu tenho. Isso significa não cometer erros, o que também não é nada fácil nessa competição.”

>> Ariane Monticeli

Campeã do Ironman Brasil Florianópolis 2015 e recordista no tempo de corrida da prova brasileira (2h56min28s)


(Foto: Alex Batista)

“Esta competição chega para mim no momento certo: esse é o melhor ano da minha carreira. Também é ótimo ser cara nova por aqui – ninguém me olha, ninguém vai me marcar. A primeira vez é sempre vista por todos como uma experiência (para mim também será), mas quem me conhece sabe da garra que eu tenho.

Agora é hora de deixar os músculos soltos e não se cansar. É hora de alimentação e de hidratação; de visualizar a prova, focar, observar o corpo e tentar relaxar a mente. Eu não fico nervosa, ansiosa ou tensa. Estou feliz e confiante.

A prova aqui no Havaí é diferente. As condições são brutais. Errou, pagou. Tem sempre favoritos, claro, mas somos todos humanos. E, nessas condições daqui, a máquina pode não aguentar. A minha meta é ter raça até o final, mesmo diante do sofrimento. E a minha tática é ter a mente bem forte.”

>> Guilherme Manocchio

Campeão do Ironman Brasil Fortaleza 2014 e do Ironman Copenhagen 2015


(Foto: via Facebook)

“Estou num grau de maturidade bem maior do que nos anos passados. Talvez, se eu estivesse aqui em outra época, poderia perder a cabeça por conta de tanta competitividade e em razão da tamanha dificuldade da prova. Hoje me conheço melhor e tenho consciência até aonde posso ir.

Encaro a prova com humildade, sem querer me mostrar para ninguém. Só quero fazer as coisas certas e dar o meu melhor até a linha de chegada. Simples assim, mas como deve ser.

Cheguei aqui muito cansado – fiz um Ironman há seis semanas – mas já me sinto bem melhor. Estar no Havaí com dez dias de antecedência para conhecer o percurso e me aclimatar com o calor foi essencial. Por aqui, minha mente já se aquietou. Está serena como a de um animal predador pouco antes de iniciar a caçada.”

VEM AÍ O MUNDIAL DE IRONMAN 2015

Alguns números da 39ª edição do desafio que deu luz ao triathlon de longa distância

> 2.381 triatletas inscritos

> 99 profissionais, sendo 57 homens e 42 mulheres

> 98 brasileiros (o 6º país em número de atletas)

> 664 mulheres, ou 28% dos competidores

> 85 anos: Lew Hollander (EUA), competidor mais velho desta edição

> 13: número de peito tradicionalmente excluído da lista de atletas

> 8h20min32s: tempo do campeão mundial em 2014, o alemão Sebastian Kienle

> 9h04min23s: tempo da campeã de 2014, a australiana Mirinda Carfrae