Salto de fé

A cadeira de rodas não limitou o base jumper canadense Lonnie Bissonnette

Para o base jumper canadense Lonnie Bissonnette, de 49 anos, a vida é um puro estado de superação. Em 2004, quando já era experiente em seu esporte, ele teve problemas com a abertura do paraquedas durante um salto de uma ponte em Twin Falls, em Idaho (EUA), e se chocou contra a água a 130 km/h.

Além de quebrar vários ossos do corpo, Lonnie ficou paraplégico. Mas, com muito esforço, voltou ao esporte depois de um ano.

Até hoje, ele é o único cadeirante que já pulou de todos os “objetos” consagrados do base jump: ponte, antena, edifício e um lugar natural. No entanto foi em julho, exatamente dez anos após de ter sofrido o maior acidente de sua vida, que Lonnie voltou à mesma ponte em Twin Falls para espantar de vez o trauma (veja no vídeo a seguir).

Lonnie tem uma cadeira de rodas adaptada, com um sistema que o mantém preso a ela durante os saltos, mas que permite liberá-la durante a queda se for preciso. Nesse caso, há um paraquedas para não haver o risco de a cadeira atingir alguém lá embaixo. Ele já até entrou em contato com a marca de sua cadeira de rodas para tentar fazer com que o modelo saia de fábrica adaptado, mas ouviu simplesmente um “não”. Segundo Lonnie, eles não apoiam sua decisão de continuar saltando – o que não é nenhum problema para esse canadense.

COMPARTILHAR