Bate-papo com o Maximo

Conversamos com o montanhista Maximo Kausch, que de passagem pelo Brasil aproveitou para visitar a redação da Go Outside


CORAÇÃO SOLITÁRIO: O alpinista Maximo faz autorretrato nas montanhas andinas

De passagem pelo Brasil, o montanhista Maximo Kausch, um dos vencedores do nosso Prêmio Outsider 2013, aproveitou para visitar a redação da revista Go Outside. Ele, que em 2012 decidiu enfrentar sozinho, e apenas com a ajuda de uma moto, as 117 montanhas com mais de 6 mil metros de altitude localizadas nos Andes (leia mais aqui), contou um pouco sobre seus próximos passos por este e outros desafios mundão afora.

GO OUTSIDE Afinal de contas, em que pé está seu projeto de escalar as montanhas de 6 mil metros de altitude da Cordilheira dos Andes?
MAXIMO KAUSCH Até agora já subi 52 montanhas. Comecei em 2012 a escalar todas as montanhas de 6 mil metros de altitude dos Andes. No começo deste ano, voltei à Argentina para fazer outras 20 (saiba mais aqui), mas a moto que eu usava quebrou e tive que voltar ao Brasil.

Como está sendo passar tanto tempo na América do Sul?

Sinto falta das viagens ao Himalaia, mas estou envolvido com projetos aqui. Primeiro, sigo na tentativa de incluir essa expedição pelos Andes no Guinness World Record (o Livro dos Recordes). A importância não é me tornar um recordista, mas usar isso para alavancar o projeto e conquistar apoiadores. Eu e os escaladores Pedro Hauck, Tacio Philip e Paulo Roberto Schmidit (o Parofes) começamos o site, chamado Gente de Montanha. Nele, organizamos expedições e aproveitamos para publicar sobre nossas conquistas. A ideia é nos apresentarmos como “os especialistas em realizar sonhos”.

Sua próxima viagem promete ser ainda mais sem-noção que as primeiras?

Acredito que sim (risos). Agora me preparo para viajar para a Bolívia, no próximo dia 28 de junho. Vou passar um mês e escalar as seis montanhas que faltam por lá.