Por um Mundo Selvagem

Pergunta da semana: Por que as aranhas viúvas-negras comem seus parceiros? Há alguma vantagem evolucionária nisso?

Por Yuri Vasconcelos

Por que as aranhas viúvas-negras comem seus parceiros? Há alguma vantagem evolucionária no ato?

Antes de tudo, é preciso desfazer o mito: não é sempre que o macho é devorado por uma viúva-negra ao final da cópula. Embora isso ocorra, não é a regra geral. Como a maioria das aranhas, essa espécie, de nome científico Latrodectus mactans, é uma predadora astuta que só se alimenta de animais vivos, principalmente insetos e outros aracnídeos. Para capturar suas presas, ela injeta nelas uma potente neurotoxina que causa paralisia. No período do acasalamento, se um macho se aproxima de sua teia com segundas intenções e a fêmea está faminta, ele poderá fornecer a ela mais do que seu sêmen. Terminada a cópula, a fêmea, que mede por volta de 1 centímetro, o dobro do macho, o ataca para saciar seu apetite. Se ela não está com fome, entretanto, o macho não sofre nenhum arranhão. Alguns estudos revelam que essa espécie de canibalismo sexual traz, sim, uma vantagem evolutiva. Machos que se oferecem em sacrifício às parceiras teriam mais chance de passar para frente seus genes, já que estariam contribuindo para a sobrevivência da fêmea – e o futuro nascimento de seus filhotes.