Papo-cabeça

Dicas culturais de livros, filmes e discos que têm tudo a ver com você

Por Camila Junqueira

MÚSICA

The sound of sunshine, de Michael Franti & Spearhead (R$ 30; emi.com.br)
É o primeiro álbum do grupo a sair no Brasil, mas a carreira musical do também poeta e compositor norte-americano Michael Franti começou nos anos 1980 e já está em seu nono disco. Com a mistura bem-sucedida entre hip-hop e outros estilos musicais como o rock e o jazz, The sound of sunshine passa mensagens de carpe diem, energia positiva e companheirismo sem cair em clichês. Ativista na luta pela justiça social, Michael acredita que “tocar para as pessoas e compartilhar músicas com elas é fazer uma conexão de verdade”.

LIVROS

The ledge, de Jim Davidson e Kevin Vaugham
(US$ 15,85 na amazon.com; 288 páginas; ballantine.atrandom.com)

Em julho deste ano foi lançado nos Estados Unidos a obra The ledge, livro que relata a expedição dos amigos Jim Davidson e Mike Price ao monte Rainer, nas Rocky Mountains do Colorado, em 1992. Muito bem recebido pelos leitores e críticos, vale a pena lê-lo em inglês porque ainda não há previsão para seu lançamento no Brasil. Mais que a história de um acidente – os dois caíram em uma greta e apenas Jim conseguiu sobreviver , o livro leva o leitor a uma incrível jornada por sentimentos de dúvida, confiança, ingenuidade, complacência e vontade de viver, relatados com uma simplicidade as vezes brutal. É um livro seduz o leitor e reconstrói em sua mente a geografia, os equipamentos utilizados, as sensações, decisões e pensamentos dos personagens de maneira a levá-lo a questionamentos sobre a própria vida e sobre como viver intensamente.


Na África selvagem, de Mark Seal
(R$ 36; 254 páginas; zahar.com.br)
Depois de duas décadas dedicadas à produção de documentários na África sobre a vida de animais selvagens, Joan Root, nascida no Quênia nos anos 1930 e filha de pais ingleses, passa a se dedicar à conservação ambiental do lago Naivasha, onde viveu desde 1981. Joan foi brutalmente assassinada a tiros em sua própria casa em 2003, as investigações da polícia local apontaram um assalto como causa do crime. Tocado pelo caso, o jornalista Mark Seal, colaborador assíduo da revista Vanity Fair, foi atrás dos fatos e teve acesso aos diários de Joan. Em Na África selvagem ele conta a história da vida de Joan, abordando desde sua infância no Quênia, seu relacionamento com o famoso diretor de cinema Alan Root – com quem chegou a produziu um documentário narrado por Orson Wells indicado ao Oscar em 1979, até as possíveis e obscuras causas de sua morte. Em breve deve estrear um filme baseado no livro, que já teve seus direitos adquiridos pela produtora de Julia Roberts.

Isto é Nova Iorque, Isto é Roma e Isto é Paris, de Miroslav Sasek
(R$ 45 (cada); 64 páginas; cosacnaify.com.br)

O artista tcheco Miroslav Sasek ficou conhecido com a série de livros Isto é, que descreve cidades importantes do mundo por meio de ilustrações e de textos curtos e espirituosos. O primeiro livrinho, idealizado para público infanto-juvenil, foi o Isto é Paris, de 1958, logo seguido por uma infinidade de outros. A editora Cosac Naify lança os três títulos mais populares da série: Nova Iorque, Roma e Paris. Repletos de curiosidades e com ilustrações divertidas e muito datadas que revelam um olhar perspicaz sobre a arquitetura e os costumes dos locais retratados, esses guias pictóricos também proporcionam uma viagem no tempo e hoje deliciam a leitores de qualquer idade.

CINEMA


Cena de Copacabana, de Fitoussi

Isabelle Huppert é Babou, uma mulher jovial e inconsequente apaixona pelo Rio de Janeiro, seu samba e sua bossa nova. Alheia às convenções sociais ao longo de toda vida, ela decide mudar quando sua filha, com vergonha da mãe, planeja não convidá-la para seu casamento. Babou então encontra um emprego no qual vende apartamentos no litoral, torna-se funcionária modelo e tem de escolher um presente original para sua filha. Apesar de não contar com nenhuma cena gravada no Rio de Janeiro, o clima carioca permeia todo o romance: no imaginário de Babou e na excelente trilha sonora, com canções de Chico Buarque, Marcos Valle e Jorge Ben entre outros.

FICA A DICA
>> Em 1968 os Beatles criaram a gravadora Apple Records. O álbum Come and get it – The Best of Apple Records acaba de sair no Brasil com 21 faixas de 17 artistas gravados pelo selo, que lançou sobretudo amigos dos integrantes da banda.